InterAffairs

Sex.05262017

Last update09:48:30 AM

Leia nesta edição:
RUS ENG FR DE PL ESP PT ZH AR

Font Size

SCREEN

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
domingo, 16 abril 2017 11:27

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), jornal “Folha de São Paulo” (Brasil), jornal “Diário de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Angola” (Angola)

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), 16.04.2017

 

Míssil da Coreia do Norte explodiu "quase imediatamente" depois de ser lançado

 15/04/2017 22:22:00

Um míssil balístico norte-coreano "explodiu quase imediatamente" depois de ter sido lançado na manhã de domingo, disseram autoridades militares dos EUA, menos de um dia depois de o líder Kim Jong Un ter desfilado um míssil balístico de longo alcance nunca antes visto pelas ruas de Pyongyang.

O míssil foi lançado às 5:51 da manhã de Seul em Sinpo, um local na costa leste da Coreia do Norte, onde tem um estaleiro e que ano passado afirmou-se ter testado um míssil balístico lançado por submarinos, disse o comandante Dave Benham, porta-voz do Comando do Pacífico dos EUA no Havaí.

Benham disse que o tipo de míssil que foi disparado domingo ainda estava sendo avaliado. Os chefes de Estado Maior da Coreia do Sul, que confirmaram o fracasso do lançamento, também disseram que estavam trabalhando na análise do tipo de míssil.

Um alto funcionário dos EUA disse ao The Wall Street Journal que o projétil não era um míssil balístico intercontinental. O lançamento foi visto como um sinal da determinação da Coreia do Norte de levar adiante seu programa de armas mesmo depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter alertado Pyongyang contra qualquer comportamento belicoso e de os EUA enviarem um grupo de porta-aviões para as águas ao redor da Península Coreana.

"O presidente e sua equipe militar estão cientes do lançamento de mísseis mais recente da Coreia do Norte sem sucesso", disse o secretário de Defesa, Jim Mattis, em um comunicado. "O presidente não tem mais comentários." Fonte: Dow Jones Newswires.

ONU pede que governo da Venezuela respeite direito à manifestação pacífica

 11/04/2017 16:49:51

Manifestantes em Caracas, na Venezuela, entram em confronto com a Guarda Nacional do país

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos pediu ontem ao governo da Venezuela que respeite o direito à manifestação pacífica e à liberdade de expressão de seus cidadãos e fez um apelo "a todas as partes" a renunciarem à violência.  

"Estamos preocupados com os relatórios sobre violência durante os protestos. Fazemos uma pedido ao governo da Venezuela para garantir que seja respeitado o direito à manifestação pacífica e à liberdade de opinião", afirmou a porta-voz do alto comissariado, Elizabeth Throssell, em comunicado.

Elizabeth também falou sobre a inabilitação do líder opositor Henrique Capriles para exercer qualquer cargo público durante 15 anos e lembrou que Capriles foi "escolhido democraticamente" e foi um líder político durante mais de duas décadas.

A oposição venezuelana tem se manifestado em Caracas em apoio ao Parlamento, de maioria antichavista, pedindo eleições e a saída dos magistrados do Tribunal Supremo.

Estas manifestações, no entanto, terminaram em conflitos com a polícia, que impediu a passagem do protesto pelo centro da capital e repeliu os manifestantes com gás lacrimogêneo e outros meios repressivos.

Por esse motivo, a ONU fez um apelo "às forças de segurança para operarem em conformidade com as normas internacionais sobre direitos humanos" em suas ações para monitorar as manifestações. Além disso, o comunicado pediu aos manifestantes que usem meios pacíficos para se fazerem ouvir.

Jovem morto

Neste contexto, o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, pediu "uma investigação independente" sobre o caso de Jairo Ortiz, de 19 anos, que morreu na semana passada na cidade de Carrizal, no estado de Miranda, nos arredores de Caracas.

Incialmente foi informado que o jovem tinha morrido durante uma das manifestações contra o governo nessa localidade, mas o governo negou e afirmou que ele tinha sido morto por um policial de trânsito cujas funções não estão vinculadas à tarefa de ordem pública.

 

Papa lamenta tratamento dado a migrantes, pobres e marginalizados

 15/04/2017 17:40:00

O papa Francisco lamentou neste sábado como os migrantes, os pobres e os marginalizados têm a sua "dignidade humana crucificada" todos os dias através de injustiças e corrupção, e exortou os fiéis, na mensagem da Vigília Pascal, a manter a esperança viva para um futuro melhor.

Francisco presidiu a solene cerimônia de fim da noite na Basílica de São Pedro, em um momento de maior temor de segurança após uma série de ataques de inspiração islâmica e tensões sobre o fluxo migrante da Europa.

A segurança foi particularmente rígida, com parte das medidas de segurança mais pesadas do que as habituais que foram implantadas em todo o mundo para as atividades da Semana Santa, especialmente após os ataques do Domingo de Ramos contra igrejas católicas no Egito que mataram pelo menos 45 pessoas.

Segurando uma única vela, Francisco passou pelo corredor central da basílica, simbolizando a escuridão que caiu depois da crucificação de Jesus na Sexta-Feira Santa. Quando Francisco chegou ao altar, os holofotes da basílica se acenderam, simbolizando a luz da ressurreição de Cristo.

Em sua homilia, o papa recordou a cena bíblica de duas mulheres se aproximando do túmulo de Jesus e disse que sua desolação sobre sua morte pode ser vista diariamente nos rostos de mulheres cujos filhos foram vítimas de pobreza, exploração e injustiça.

"Também podemos ver os rostos daqueles que são recebidos com desprezo porque são imigrantes, privados de país, casa e família", disse ele. Outros são vítimas de burocracias paralisadas e corrupção "que os despoja de seus direitos e quebra seus sonhos", disse o Papa, ecoando dois temas que enfatizou em seu papado de quatro anos: cuidar dos migrantes e denunciar a corrupção.

"Em seu sofrimento, essas duas mulheres refletem os rostos de todos aqueles que, caminhando pelas ruas de nossas cidades, veem a dignidade humana crucificada". Mas, em vez de permanecer resignado a tal destino, Francisco exortou os fiéis a ter esperança, simbolizada pela ressurreição de Cristo.

Ele pediu aos católicos para "derrubar todos os muros que nos mantêm trancados no nosso pessimismo estéril, nas nossas torres de marfim cuidadosamente construídas que nos isolam da vida, na nossa compulsiva necessidade de segurança e numa ambição sem limites que pode nos fazer comprometer a dignidade de outros".

No domingo, Francisco vai celebrar a alegre Missa de Páscoa em uma praça cheia de flores. Milhares de pessoas são esperadas para enfrentar ruas bloqueadas, detectores de metal e outras medidas de segurança para chegar à praça. Fonte: Associated Press.

jornal “Jornal do Brasil” (Brasil), 16.04.2017

 

Entenda o que está em jogo no referendo na Turquia

Mudança pode dar mais poderes ao presidente Erdogan

Agência ANSA

 

Entenda os pontos que compõe o referendo constitucional na Turquia, que será votado neste domingo (16). 

Entenda o que muda com a reforma: 

Poderes e prerrogativas do presidente: 

Exercita o poder executivo e é chefe do governo, abolindo a figura do primeiro-ministro; 

Nomeia e revoga os vice-presidentes, ministros, diplomatas e altos funcionários do Estado; 

É eleito diretamente pelo povo para mandatos de 5 anos, abolindo a votação de confiança parlamentar; 

Limite de dois mandatos, que pode ser estendido para mais um se forem convocadas eleições antecipadas; 

Firma decretos sem a aprovação do Parlamento; 

Decreta estado de Emergência sem a aprovação parlamentar; 

Dissolve o Parlamento - podendo levar a eleições antecipadas que atingem também seu cargo; 

Pode ser filiado a um partido político, o que é proibido atualmente.

O novo Parlamento: 

Eleito por cinco anos e se renova na mesma votação do presidente; 

Passa de 550 para 600 membros; 

Idade para se eleger cai de 25 para 18 anos; 

Não vota confiança do governo; 

Pode interrogar ministros e vice-presidentes apenas por escrito e não pode interrogar o presidente; Outras mudanças: 

O impeachment do chefe de Estado deve ser aprovado por 2/3 do Parlamento; 

Corte Constitucional é reduzida para 15 membros, sendo 12 indicados pelo presidente e três pelo Parlamento; 

Conselho Superior de Magistrados é reduzido para 13 membros: quatro nomeados pelo presidente, sete pelo Parlamento e mais o ministro e subsecretário de Justiça são membros por direito; 

Tribunais militares são abolidos, com exceção dos juízes disciplinares.

 

 

EUA posicionaram, pela primeira vez, uma esquadra de caças F-35 na Grã-Bretanha

 

As Forças Aéreas dos EUA, pela primeira vez, posicionaram um esquadrão de caças F-35A de quinta geração em território britânico, segundo um comunicado do Comando dos Estados Unidos para a Europa.

"A presença dos caças F-35 reforça a prioridade de manter em prontidão as forças armadas na Europa ", informou em comunicado o comandante das forças unificadas da OTAN na Europa, Curtis Scaparrotti. 

Ele adicionou que a presença da nova esquadra "fortalece o potencial militar da OTAN na Europa".

A quantidade exata de aeronaves não foi comunicada. No entanto, o Pentágono destacou que a esquadra é compacta.

Míssil antinavio russo Tsirkon atinge 8 velocidades do som

 

Novo míssil hipersônico antinavio Tsirkon atingiu uma velocidade que supera em 8 vezes a velocidade do som, comunica a RT.

"Durante os testes do míssil, foi comprovado que sua velocidade em marcha atinge a velocidade de 8 Mach (9.878,4 km/h)", contou a fonte.

O surgimento do míssil hipersônico antinavio Tsikron vai reduzir significativamente o papel dos porta-aviões norte-americanos na guerra naval

Ela explicou também que os mísseis Tsirkon podem ser disparados dos lançadores de mísseis universais ZS-14. Antes, a RT já tinha reportado sobre o desenvolvimento no domínio das armas hipersônicas russas.

Agora, o membro-correspondente da Academia de Mísseis russa, capitão-de-mar-e-guerra Konstantin Sivkov, acrescentou que o surgimento do míssil hipersônico antinavio Tsikron vai reduzir significativamente o papel dos porta-aviões norte-americanos na guerra naval.

Em parada militar, Pyongyang ameaça EUA com guerra nuclear

Regime norte-coreano celebra hoje 105 anos de Kim il-sung

Agência ANSA

 

Na data em que a Coreia do Norte celebra o "Dia do Sol" e o aniversário de 105 do "presidente eterno" Kim il-sung, o regime de Pyongyang aproveitou para mostrar seu potencial bélico e ameçar os Estados Unidos com uma guerra nuclear. 

Durante a parada militar na capital norte-coreana neste sábado (15), foram exibidos mísseis de alto nível que já foram testados pelo regime ou que ainda passam por ajustes finais. 

Alguns dos protótipos que desfilaram foram os mísseis intercontinentais KN-08 e KN-14. "Responderemos a uma guerra total com uma guerra total, e uma nuclerar com o nosso estilo de ataque nuclear", ameaçou Choe Ryong-hae, o número dois do governo da Coreia do Norte. 

O atual líder Kim jong-un é neto de Kim il-sung, morto em 1994, e assistiu a todo o desfile. Choe Ryong-hae também acusou os Estados Unidos de lançarem ataques contra outros países e ameaçarem a paz mundial. A tensão entre Washington e Pyongyang existe há anos, com o regime norte-coreano testando mísseis e ameaçando os EUA. 

Porém, o clima de guerra aumentou nas últimas semanas com novas provocações políticas. Nesse contexto, o presidente Donald Trump ordenou ataques contra a Síria e a detonação no Afeganistão da bomba mais potente que existe depois da nuclear. 

O explosivo foi lançado contra túneis usados por terroristas do Estado Islâmico, de acordo com a Casa Branca, mas pode ter sido uma exibição de força dos EUA para fazerem seus inimigos recuarem. Países da região, como Japão, China e Rússia, já alertaram sobre os riscos de uma guerra e pediram que EUA e Coreia do Norte evitem confrontos. 

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, começa neste fim de semana uma viagem pela Ásia, com primeira parada em Seul. Em seguida, ele irá para Tóquio, Jacarta e Sydney.

Eliminado 'ministro da guerra' do Daesh que treinou nos EUA por 5 anos

 

De acordo com a mídia, um dos chefes do agrupamento jihadista Daesh, proibido na Rússia e em muitos outros países, foi morto na sequência de um ataque com mísseis na cidade iraquiana de Mossul.

De acordo com o canal russo Rossiya 24, o terrorista eliminado se chamava Gulmurod Khalimov e era considerado como o "ministro da guerra" dentro do Daesh.

Sabe-se que Khalimov era originário da República do Tajiquistão e começou sua carreira nas fileiras das forças especiais da União Soviética. Após o colapso da URSS, ele se tornou comandante no OMON (Unidade Móvel de Operações Especiais, nome genérico para o sistema de Unidades Especiais da Polícia e anteriormente do Ministério do Interior soviético) e serviu na Guarda Presidencial.

Ao longo de 5 anos, o terrorista foi treinado em uma das bases militares americanas. A edição britânica The Times afirma que seus mentores proviriam da empresa militar privada Blackwater.

Em 2015, Khalimov aderiu às fileiras dos terroristas e foi combater na Síria, se tendo especializado em fazer explodir veículos da coalizão internacional.

Ex-efetivos das operações especiais da Ucrânia se mudam para Rússia

 

Quatro ex-funcionários da polícia antimotim ucraniana Berkut atravessaram na quinta-feira (13) a fronteira russo-ucraniana. Valentin Rybin, o advogado deles, explicou suas razões à Sputnik.

"Eles passaram a fronteira russo-ucraniana depois de as medidas de coação sobre eles terem expirado. Tendo em consideração que eles estavam sendo pressionados pela promotoria geral ucraniana, eles decidiram simplesmente se colocarem fora de perigo", disse o advogado.

Ele destacou que ex-efetivos da Berkut passaram a fronteira de modo legal, usando passaportes internos, por isso este ato não pode ser considerado de fuga. Agora, Aleksandr Kostyuk, Vladislav Mastega, Artem Voilokov e Vitaly Goncharenko estão na Rússia.

As atuais autoridades ucranianas atribuíram a responsabilidade pela morte de mais de 100 pessoas ao seu rival político, o ex-presidente Viktor Yanukovich, e aos policiais da unidade especial ucraniana Berkut, que negam qualquer envolvimento nos crimes de assassínio. Yanukovich afirmou muitas vezes que nunca ordenou abrir fogo contra os manifestantes civis e até pediu para remover todos os policiais da Berkut da cidade.

= jornal “Diário de Notícias” (Portugal), 16.04.2017

 

Novo balanço de atentado contra autocarros: 112 mortos

 

PUB

Maioria da vítimas eram pessoas retiradas de duas localidades controladas pelo regime que estavam cercadas pelos rebeldes

O atentado com uma camioneta armadilhada junto a autocarros que retiravam civis e combatentes de Alepo, no sábado, na Síria, causou 112 mortos, segundo um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH) divulgado hoje.

Entre os 112 mortos estão 98 pessoas retiradas das localidades de Foua e de Kafraya (nordeste), precisou a Organização Não-Governamental (ONG).

Anteriormente, o OSDH tinha apresentado um balanço de 43 mortos neste atentado, que não foi reivindicado.

No entanto, no sábado, a Defesa Civil Síria, também conhecida como 'Capacetes Brancos', citada pela agência Associated Press, referiu que os seus voluntários retiraram pelo menos cem corpos do local onde ocorreu a explosão.

Os autocarros estavam no local para transportar cerca de cinco mil pessoas retiradas na sexta-feira de Foua e Kafraya, duas localidades controladas pelo regime que estavam cercadas pelos rebeldes, em cumprimento de um acordo que permitiu a evacuação simultânea de duas localidades rebeldes cercadas pelo exército sírio.

As pessoas retiradas na sexta-feira estavam paradas naquele local devido a desentendimentos que impediram que seguissem viagem.

Os que foram retirados das localidades controladas pelo regime deviam seguir para Damasco e Latakia e os das localidades rebeldes para a província de Idlib.

Na sexta-feira, mais de sete mil pessoas foram retiradas de Foua e Kafraya (cinco mil) e das localidades rebeldes de Madaya e Zabadani (2.200), segundo o Observatório.

 

 

Juíza suspende execução recorde de sete condenados em dez dias

 

PUB

O estado pode recorrer da decisão

Uma juíza federal suspendeu hoje um plano do governador do Arkansas, sudeste dos Estados Unidos, para executar sete condenados até ao fim do mês, antes de expirar o 'stock' de uma das drogas usadas nas injeções letais.

A juíza Kristine Baker deu provimento a uma injunção apresentada pelos condenados, dois dos quais tinham a execução marcada para segunda-feira à noite. O estado pode recorrer da decisão.

O governador, o republicano Asa Hutchinson, agendou oito execuções -- uma já tinha sido suspensa -- para os dez dias entre 17 e 27 de abril, antes que passe o prazo de validade do 'stock' do Arkansas de midazolam, uma das drogas usadas nas injeções letais.

O midazolam é um potente sedativo cirúrgico usado para deixar o condenado inconsciente e anestesiado antes de lhe serem administradas as drogas que param a respiração e o batimento cardíaco.

Os advogados dos condenados questionaram o agendamento das execuções e a eficácia do midazolam, que noutros casos, noutros estados, se mostrou insuficiente para evitar a agonia da execução.

Os advogados do estado consideraram o pedido de injunção uma tentativa para adiar indefinidamente as execuções e justificaram o calendário com a falta de um substituto para o midazolam, quando expirar a validade do que tem em 'stock'.

Na sua decisão, a juíza Baker considerou que, embora o estado tenha demonstrado não pretender torturar os condenados, estes têm o direito de contestar o método de execução na tentativa de provar que "acarreta um risco demonstrado de grande sofrimento".

A juíza cita casos de execuções em que esta droga foi usada e que se complicaram e prolongaram, com sofrimento visível do executado, no Alabama, Arizona, Ohio e Oklahoma.

A última execução no Arkansas foi em 2005 e a última execução simultânea de mais de um condenado em 1999.

Se os sete condenados forem executados até ao fim do mês, será a primeira vez que um estado norte-americano executa tantas penas capitais num período de tempo tão curto, desde que o Supremo Tribunal reinstaurou a pena de morte, em 1976.

Pacote suspeito junto à Casa Branca obrigou ao corte da Pennsylvania Avenue

 

PUB

Serviços Secretos puseram a residência do Presidente americano em alerta. Situação foi resolvida rapidamente

As autoridades americanas foram este sábado obrigadas a cortar ruas em redor da Casa Branca paraa investigar um pacote suspeito encontrado junto ao gradeamento norte da residência ofocial do presidente americano.

A notícia foi avançada pela CBS News, segundo a qual foi mesmo decretado alerta máximo pelos Serviços Secretos, que colocaram as principais figuras da Casa Branca colocados sob vigilância em lugares seguros.

Donald Trump não se encontra na Casa Branca, mas sim no resort Mar-a-Lago, na Florida.

A famosa Pennsylvania Avenue foi mesmo cortada.

Segundo um jornalista da CNN no local, a situação no exterior foi resolvida sem grande alarido alguns minutos depois, tendo o pacote sido retirado e a circulação reaberta.

 

75% das campanhas no Brasil terão sido financiadas ilegalmente

 

PUB

Estimativa feita perante a justiça por Marcelo Odebrecht

O ex-presidente da construtora brasileira Odebrecht, Marcelo Odebrecht, estimou, num depoimento à Justiça brasileira, divulgado hoje, que 75% das campanhas eleitorais no Brasil tenham sido financiadas ilegalmente.

"Esse era um problema que tínhamos em todo o Brasil, foi criado um círculo vicioso. Eu estimo que três quartos das campanhas no Brasil eram financiadas de forma ilegal", afirmou Odebrecht em março, num depoimento aos procuradores hoje conhecido.

Os depoimentos de altos quadros da Odebrecht, a maior construtora do Brasil, que fizeram acordos com o Ministério Público Federal de delação premiada (redução da pena em troca de colaboração com a Justiça), têm deixado o país em suspenso das revelações que a cada dia são conhecidas e que indicam novos casos de corrupção que afetam diretamente políticos de renome.

Marcelo Odebrecht, preso desde 2015 e condenado a 19 anos e quatro meses de cadeia por desvios milionários na petrolífera estatal Petrobras, afirmou que a empresa até teria gostado que os pagamentos fossem oficiais e justificou os pagamentos ilegais para evitar que outros candidatos soubessem os montantes dados e pedissem mais dinheiro.

O empresário deu como exemplo donativos de dois milhões de reais (cerca de 599 mil euros à taxa de câmbio atual) a um candidato a governador do estado de Acre, Tiao Viana, do Partido dos Trabalhadores, dos quais apenas 500.000 reais (149 mil euros) foram declarados.

"Se sabem que damos dois milhões de reais a uma candidatura a governador de Acre, imaginem a expectativa que se cria para o [candidato a] governador de São Paulo", explicou.

A divulgação dos depoimentos, que estavam sob o segredo, acontece um dia depois de o Supremo Tribunal ter anunciado que autoriza a abertura de 76 investigações contra quase todos os políticos citados nos depoimentos, com vista a investigar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Os pedidos foram baseados nas revelações trazidas pelos acordos de delação premiada firmados pelo Ministério Público Federal com 78 gestores e e ex-gestores do Grupo Odebrecht.

Entre os investigados estão oito ministros do Executivo do presidente Michel Temer e quase cem deputados de mais de dez partidos políticos.

Na lista de suspeitos estão 12 dos 17 governadores do país, entre os quais Tiao Viana e os cinco expresidentes brasileiros vivos: José Sarney (1985-1990), Fernando Collor de Mello (1990-1992), Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

Segundo cálculos do próprio tribunal, a partir do narrado pelos antigos altos quadros da construtora e por Emilio Odebrecht, patriarca da família, apenas esta empresa distribuiu subornos próximos de 450 milhões de reais (cerca de 135 milhões de euros).

As declarações dos ex-gestores da Odebrecht surgem no âmbito da operação Lava Jato, que investiga crimes de corrupção no Brasil.

Tida por muitos investigadores e até mesmo por políticos como a maior operação de combate à corrupção da história do Brasil, a Lava Jato investigava, inicialmente, a atuação de 'doleiros' (pessoas que vendem dólares no mercado paralelo), mas, posteriormente passou a investigar também a corrupção na petrolífera estatal Petrobras.

Esta investigação completou três anos em 17 de março, tendo já recuperado cerca de 10,1 mil milhões de reais (três mil milhões de euros) e efetuadas 198 detenções, segundo a imprensa brasileira, a partir de dados fornecidos pelo Ministério Público Federal (MPF).

Além daquele valor, encontram-se atualmente bloqueados por determinação judicial mais de 3,2 mil milhões de reais (955 milhões de euros) em bens de pessoas investigadas.

O MPF pediu desde o início das investigações a devolução aos cofres públicos de 38,1 mil milhões de reais (11,3 mil milhões de euros).

Ao todo, já se realizaram 38 fases da operação Lava Jato durante os três anos de investigação.

Atualmente, 23 pessoas permanecem presas, entre as quais estão o deputado cassado (suspenso) e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e o ex-ministro da Fazenda (Finanças) e da Casa Civil Antônio Palocci.

Há outras 24 pessoas - entra as quais Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho - que deixaram a prisão, mas continuam a ser mantidas sob vigilância através de pulseira eletrónica e prisão domiciliária.

jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), 16.04.2017

 

Dezenas de feridos em protestos a favor e contra Trump

Pelo menos 20 pessoas foram detidas no sábado na sequência de confrontos entre grupos de apoiantes e opositores de Donald Trump, após protestos em Berkeley (Califórnia) para exigir ao presidente dos EUA que torne pública a sua declaração de rendimentos.

Inicialmente, a polícia de Berkely tinha dado conta de 14 detidos.

Milhares de pessoas participaram no sábado em protestos em cerca de cem cidades dos Estados Unidos, convocados pelo movimento "Marcha dos impostos" para exigir a Donald Trump que torne pública a declaração de rendimentos, à semelhança do que fizeram os anteriores presidentes.

De acordo com meios de comunicação locais, no centro de Berkeley saíram à rua centenas de pessoas, em manifestações a favor e contra Donald Trump.

A polícia lançou gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes na altura dos confrontos e referiu ter encontrado alguns objetos proibidos como uma faca, capacetes e uma arma de fogo falsa.

Berkely volta assim a ser, tal como no mês passado e em ocasiões anteriores, local de incidentes em manifestações, que geralmente decorrem pacificamente no resto do país.

Marido e mulher descobrem que são irmãos gémeos por acaso

Casal soube a verdade quando tentou fazer tratamentos de fertilidade

Um casal norte-americano recorreu a uma clínica de tratamentos de fertilidade e acabou por descobrir que além de marido e mulher são também irmãos gémeos.

Aconteceu numa clínica de Jackson, no Estado norte-americano do Mississipi, o caso invulgar deste casal, cuja identidade não foi revelada, por motivos de confidencialidade médica.

O médico que os acompanhou contou ao jornal "Mississippi Herald" que o casal procurou ajuda especializada porque não conseguia ter filhos, pelo que foram feitos os exames habituais de ADN.

"É uma coisa rotineira e, normalmente, não verificamos se há uma relação entre as duas amostras, mas, neste caso, o médico do laboratório estava chocado com as semelhanças entre os dois perfis", disse o clínico, que também não revelou a sua identidade.

Inicialmente, pensaram que podia tratar-se de um caso de primos em primeiro grau, "o que acontece, por vezes", mas depois de analisar melhor as amostras perceberam que as semelhanças eram demasiadas.

Ao consultar os processos de ambos, o médico verificou que partilhavam a mesma data de nascimento, concluindo que a única hipótese era a de que seriam irmãos gémeos.

Ao dar-lhes a notícia, a primeira reação do casal foi rir à gargalhada, explicando que sempre fizeram piadas sobre o facto de terem nascido no mesmo dia e terem muitas coisas em comum. Mais adiante na conversa, foi o choque.

Acabaram então por descobrir que os seus pais tinham morrido num acidente de viação e que, não havendo ninguém na família para cuidar deles, foram colocados à guarda do Estado.

As duas crianças foram depois adotadas separadamente e, devido a um erro no preenchimento dos papéis, nenhuma das famílias foi informada sobre a existência de um irmão gémeo.

Os dois cruzaram-se anos depois, na universidade, onde começaram a namorar, casando mais tarde. O casal está agora a avaliar o futuro da relação.

A italiana Emma Morano, considerada a mulher mais velha do mundo, morreu este sábado na sua casa em Itália, com 117 anos, anunciou o seu médico pessoal.

"Ela teve uma vida extraordinária e vamos lembrar-nos sempre da sua força para ir em frente", declarou o presidente da câmara de Verbania, localidade do norte de Itália onde residia, citado pela imprensa italiana.

Emma Morano nasceu a 29 de novembro de 1899.

A celebração do seu 117.º aniversário, em novembro passado, foi acompanhada pela imprensa na sua casa de duas assoalhadas naquela cidade de montanha, na companhia das duas sobrinhas mais velhas, duas cuidadoras e o médico pessoal, Carlo Bava.

Sentada numa cadeira de braços, Morano soprou de uma vez as velas do bolo - três velas com os algarismos um, um e sete -- e abriu alguns presentes, entre os quais os seus bolinhos preferidos, que comeu em seguida, acompanhados com um copo de leite.

"Estou feliz por fazer 117 anos", disse.

Na altura, já via e ouvia mal e estava acamada, não saindo de casa há mais de duas décadas. Mas os que a conheciam bem diziam que continuava atenta, lúcida, e que mantinha uma excelente memória e o sentido de humor.

Emma Martina Luigia Morano tornou-se "a mulher mais velha do mundo" em maio de 2016, depois da morte da norte-americana Susannah Mushatt Jones, nascida a 06 de julho de 1899, segundo a lista elaborada pelo norte-americano "Gerontology Research Group".

Numa entrevista de 2015, Morano atribuiu a sua longevidade a uma dieta fora do vulgar: três ovos crus por dia, que depois de uma anemia foram substituídos por dois ovos crus e 150 gramas de bife cru.

Não gostava de legumes nem fruta, comendo apenas ocasionalmente uvas ou puré de maçã. Era gulosa e gostava especialmente de um bolo tradicional italiano, a colomba, com fruta cristalizada.

O médico pessoal atribuiu a longevidade de Emma Morano não à dieta, mas à genética.

"Penso que é genético, toda a família dela viveu muitos anos. A sua dieta teria destruído o fígado da maior parte das pessoas, mas Emma até podia ter comido pedras que mesmo assim viveria muitos anos", disse em 2016.

"E o que talvez seja mais importante é que sempre teve uma personalidade forte. Foi sempre ela a decidir o que fazia e o que não fazia", acrescentou.

Emma Morano atribuiu também a sua longa vida à coragem que teve de deixar o maridoviolento em 1938, pouco tempo depois da morte, em bebé, do seu único filho.

Após a separação, para se sustentar, procurou emprego numa fábrica de sacos de serapilheira, na qual trabalhou até aos 75 anos.

Segundo o instituto norte-americano, a mulher mais velha do mundo é agora uma jamaicana, Violet Brown, nascida a 10 de março de 1900.

jornal “Jornal de Angola” (Angola), 16.04.2017

 

Taxa de inflação abrandou em Março


16 de Abril, 2017

A taxa de crescimento da inflação abrandou em Março para 1,91 por cento, depois de, em Fevereiro, avançar em 2,30, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE) em nota de imprensa sobre o Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN) divulgada ontem, em Luanda.

O INE disse que a inflação homóloga – a 12 meses - de Março acelerou para 36,52 por cento, 15,06 pontos percentuais acima da observada em igual período do ano passado, e a acumulada dos três meses atingiu 6,61 por cento, um abrandamento face à verificada de Janeiro a Março de 2016, de 10,20 por cento.
A inflação foi maior no Cuanza Norte com 2,59 por cento, Luanda (2,24), Lunda Norte (2,08) e Uíge (1,90) e menos incidente no Bié com 1,07 por cento, Huíla (1,10), Huambo (1,40) e Cabinda (1,50), afirma o documento.
A evolução dos preços foi influenciada pela classe “Vestuário e Calçado” com 3,63 por cento, “Bens e Serviços Diversos” (3,35), “Bebidas Alcoólicas e Tabaco” (3,08) e “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” (2,65).
A classe “Alimentação e Bebidas não Alcoólicas” foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços com 0,83 pontos percentuais, seguida das classes: “Vestuário e Calçado” (0,23), “Bens e Serviços Diversos” (0,21) e “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” (0,17).
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da província de Luanda foi influenciado pela evolução dos preços da classe “Vestuário e Calçado”, com 4,04 por cento, e também os aumentos verificados nas classes “Bens e Serviços Diversos” (3,99), “Bebidas Alcoólicas e Tabaco” (3,37) e “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” (3,10). 
No Cuanza Norte o avanço do preços durante o mês de Março é atribuído principalmente à classe “Vestuário e Calçado” com 4,17 por cento, “Saúde” (4,08), “Bebidas Alcoólicas e Tabaco” (3,98) e “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” (3,53). 
No Bié, onde o Índice de Preços no Consumidor registou a menor taxa de crescimento de Março, a aceleração foi atribuída à variação de 2,96 por cento verificada na classe “Lazer, Recreação e Cultura”, de 2,74 por cento na de “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção”, 2,71 por cento na de “Bebidas Alcoólicas e Tabaco” e de 2,18 por cento na de “Vestuário e Calçado”.

 

 

Mina gera centenas de milhões de dólares

Kátia Ramos 
16 de Abril, 2017

A sociedade mineira do Catoca prevê obter 250 milhões de dólares em quatro anos, com a exploração da mina de diamantes CAT-E42, inaugurada quinta-feira, na Lunda Sul, pelo ministro da Geologia e Minas, Francisco Queiroz.

A mina, um pequeno kimberlito situado a cinco quilómetros de Catoca, tem o plano de produzir a partir de Junho 4,5 milhões de quilates ao longo do seus quatro anos de vida útil, ocupa uma extensão de 60 hectares e emprega 150 trabalhadores.
O projecto mineiro será explorado a até 150 metros de profundidade e conta com uma produtividade anual de mais de um milhão de quilates e reservas na ordem de 5,5 milhões de toneladas de minério.
CAT-E42 tem três significados, sendo CAT Catoca, E o método de prospecção utilizado (electromagnético) e 42 a ordem numérica das anomalias que foram estudadas. A mina, surge na sequência de uma estratégia liderada pela Endiama, com vista ao aumento da reserva nacional de diamantes
Na inauguração, o ministro enalteceu a facto da mina ter sido descoberta por engenheiros angolanos, enquanto o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Diamantes (Endiama), Carlos Sumbula, recordou o inicio da prospecção na CAT-E42 em 2004, por técnicos nacionais formados no país e no estrangeiro.
O presidente do Conselho de Administração da Endiama declarou que o grupo intervém em quase toda a cadeia de produção de diamantes, mas desafiou as empresas do sector a investirem no sector da lapidação de gemas. Carlos Sumbula lembrou a evolução do projecto, como uma mostragem feita em 2015 para confirmação da qualidade da chaminé, onde foram explorados 605 mil metros cúbicos e extraídas mais de 20 toneladas de minério. A Sociedade Mineira de Catoca é uma sociedade angolana de prospecção, exploração, recuperação e comercialização de diamantes constituída pela Endiama, Alrosa, LLV e Odebrecht. 
Catoca é o maior projecto diamantífero em operação em Angola, sendo responsável pela extracção de mais de 75 por cento dos diamantes angolanos. Além do kimberlito de Catoca, a sociedade tem participação maioritária em concessões como a do Luemba, Gango, Quitúbia, Luangue, Vulege, Tcháfua e Luaxe.  A cooperativa de exploração semi-industrial de diamantes CJCK, criada há seis meses no município do Cuango, província da Lunda Norte, conta agora com uma força de trabalho de 300 colaboradores jovens.

 

 

Guterres alerta para o risco de conflito em grande escala


16 de Abril, 2017

O Secretário-Geral da ONU, António Guterres, alertou ontem para o risco de a Líbia regressar ao conflito generalizado, ao citar a volátil situação em Tripoli e a luta na região leste, rica em petróleo, e noutras zonas.

Guterres manifestou preocupação, num relatório para o Conselho de Segurança, com a renovada escalada militar e impasse político no país. 
O Secretário-Geral das Nações Unidas disse que o Estado Islâmico já não controla nenhum território na Líbia, mas que foram avistados operacionais daquele grupo radical, que tem sido responsabilizado por uma série de ataques em diferentes áreas, e que a comunidade internacional continua a ser um alvo.
A Líbia afundou-se num caos a seguir à revolta de 2011, que culminou na morte do Presidente Muammar Khadafi, e continua dividida entre parlamentos rivais e diferentes governos no leste e oeste, cada um deles apoiado por um conjunto de milícias, tribos e facções políticas, sem um fim à vista.

 

 

Milhares de migrantes são resgatados no mar


16 de Abril, 2017

Um total de 2.074  migrantes foram resgatados ontem na região do Mediterrâneo Central e este número pode vir a aumentar, já que prosseguem as operações de busca e salvamento, informaram à agência noticiosa Efe fontes da Guarda Costeira italiana.

 

Na sexta-feira foram feitas 19 operações de resgate de três pequenos botes de madeira e 16 botes insufláveis, num doas quais estava o corpo de um jovem.
O corpo do adolescente foi encontrado no fundo da lancha durante o resgate realizado pela embarcação “Aquarius” operada pela organização Médicos sem Fronteiras (MSF), comunicou a ONG na conta no Twitter.
“Prudence” e “Aquarius”, as duas embarcações da MSF no Canal da Sicília, a faixa de mar que separa a Itália da costa da Líbia, ocuparam-se do resgate de cerca de mil imigrantes.
A Guarda Costeira italiana, que coordena as operações de resgate nesta área do Mediterrâneo, informou que o número de pessoas socorridas deve aumentar, já que estão a ser realizadas várias operações.
Segundo os dados divulgados pela Fundação italiana ISMU, instituto independente que estuda os fenómenos migratórios, nos primeiros três meses do ano chegaram à Itália 24 mil imigrantes, destes 2.293 menores não acompanhados.
Estes números representam um aumento de 30 por cento nas chegadas de  imigrantes à Itália em relação ao mesmo período do ano anterior e ao recorde de dez mil somente no mês de Março, com a ilha de Lampedusa a ser o ponto principal.

Read 20 times