InterAffairs

Sáb.06242017

Last update09:48:30 AM

Leia nesta edição:
RUS ENG FR DE PL ESP PT ZH AR

Font Size

SCREEN

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
domingo, 26 fevereiro 2017 22:36

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), jornal “Folha de São Paulo” (Brasil), jornal “Diário de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Angola” (Angola)

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), 26.02.2017

 

Atentado com carro-bomba mata pelo menos 42 pessoas na Síria

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 24/02/2017 16:26:44

Pelo menos 42 pessoas, em sua maioria rebeldes sírios, morreram em um atentado com carro-bomba ao nordeste de Al-Bab, reduto do grupo Estado Islâmico, retomado na véspera das mãos dos extremistas, segundo informou ontem (24) a organização não governamental (ONG) Observatório Sírio dos Direitos Humanos.  

"Menos de 24 horas após a derrota do grupo Estado Islâmico, um terrorista suicida atacou duas sedes dos rebeldes na cidade de Susian, ao nordeste de Al-Bab, na região norte da Síria", afirmou Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório.

Os rebeldes sírios, apoiados pela Turquia, conquistaram na quinta-feira (23) a cidade. Os dois quartéis-generais dos rebeldes ficam próximos um do outro. Susian fica a apenas 8 quilômetros de Al Bab, a última grande cidade que ainda estava sob poder no Estado Islâmico na província de Aleppo, no norte da Síria.

As forças turcas e os rebeldes sírios iniciaram, em 10 de dezembro do ano passado, uma ofensiva militar para reconquistar a cidade de Al-Bab, que fica 25 quilômetros ao sul da fronteira turca. A retomada da cidade é uma grande vitória para o governo da Turquia, que iniciou em agosto uma operação militar no norte da Síria para expulsar os extremistas das proximidades de sua fronteira.

 

Alemanha: morre uma das vítimas de ataque com carro contra pedestres

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 25/02/2017 22:09:00

Uma das vítimas atingidas por um ataque com carro contra pedestres na cidade alemã de Heidelberg neste sábado não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital. Um homem, que dirigia um carro alugado, avançou com um carro contra pedestres em uma praça central da cidade, nas proximidades de uma padaria, depois fugiu e foi baleado após ter sido localizado por oficiais, segundo a polícia.

A vítima que morreu era um homem alemão de 73 anos, que morreu em decorrência dos ferimentos do atropelamento na noite de sábado (horário local) em hospital local. Um austríaco de 32 anos e uma mulher de 29 anos da Bósnia ficaram levemente feridos.

O motorista, que estaria carregando uma faca, saiu do carro após o atropelamento, segundo a polícia. Pouco tempo depois, ele foi interceptado por uma patrulha policial e baleado por um oficial após um confronto.

O suspeito é um alemão de 35 anos cuja identidade não foi revelada. Ele foi levado a um hospital, onde foi submetido a uma operação. Não foram divulgadas informações sobre possíveis motivações, de onde ele veio ou a sua condição no hospital.

Polícia e procuradores alemães disseram que não há indícios de ligações com terrorismo e que o homem parece ter agido sozinho. Fonte: Associated Press.

 

Malásia diz que aeroporto está livre de contaminação e que VX matou Kim Jong Nam

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 25/02/2017 19:57:00

O ministro da Saúde da Malásia disse resultados da autópsia de Kim Jong Nam sugerem que o agente nervoso VX causou a "paralisia muito grave" que levou à morte do exilado meio-irmão do líder da Coreia do Norte. A polícia também concluiu uma varredura no terminal do aeroporto de Kuala Lumpur, onde ele foi envenenado, e o declarou livre de qualquer toxina.

A investigação sobre o assassinato de Kim Jong Nam no aeroporto de Kuala Lumpur, em 13 de fevereiro, desencadeou uma disputa diplomática entre a Malásia e a Coreia do Norte. A revelação na sexta-feira pela polícia malaia de que a arma química proibida agente nervoso VX foi usada para matar Kim aumentou a atenção sobre o caso que tem amplas implicações geopolíticas.

O ministro da Saúde da Malásia, Subramaniam Sathasivam, disse que o departamento químico estatal apontou a presença da toxina VX, confirmando o resultado da autópsia do hospital de que um "agente químico causou a paralisia muito grave" que levou à morte de Kim Jong Nam "em um período muito curto de tempo". O agente VX pode levar à morte muito rapidamente em alta doses, segundo ele.

O assassinato de Kim Jong Nam ocorreu em meio a multidões de viajantes no aeroporto de Kuala Lumpur. Na noite de sábado, a polícia fez uma varredura do terminal onde Kim foi atacado para verificar se havia vestígios de VX. A varredura começou às 2 da manhã de domingo (horário local) e envolveu oficiais das equipes químicas, biológicas, radiológicas e nucleares da polícia, assim como a unidade de materiais perigosos dos bombeiros e o conselho de energia atômica do governo. Embora o VX não seja radioativo, a polícia disse que a equipe radiológica e o conselho de energia atômica foram envolvidos como precaução.

Abdul Samah Mat, o policial que lidera as investigações, disse que a varredura de duas horas feita por mais de uma dúzia de oficiais com equipamento de proteção não detectou material perigoso. Ele disse que o terminal está "livre de qualquer forma de contaminação com material perigoso" e declarou-o uma "zona segura".

A polícia advertiu que emitiria um mandado de prisão para Hyon Kwang Song, segundo secretário da Embaixada da Coreia do Norte em Kuala Lumpur, se ele se recusar a cooperar com a investigação sobre o ataque. Abdul Samah disse que as autoridades dariam ao diplomata um tempo razoável para se apresentar. "E se ele não aparecer ... então nós iremos para o próximo passo obtendo um mandado de prisão do tribunal", disse ele a repórteres. O advogado Sankara Nair, no entanto, observou que diplomatas têm privilégios de imunidade mesmo em casos criminais. "A polícia pode solicitar um mandado, mas ele pode ser facilmente rejeitado pela embaixada", afirmou. Fonte: Associated Press.

jornal “Jornal do Brasil” (Brasil), 26.02.2017

 

Suspeita de matar Kim Jong-Nam recebeu US$ 90 para crime

Jovem afirmou que achava que ação era uma 'pegadinha'

Agência ANSA

 

A jovem indonésia que é acusada de matar Kim Jong-nam, irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-um, revelou às autoridades que recebeu US$ 90 pela ação e que ela achava que tudo não passava de uma "pegadinha".    

Segundo o embaixador da Malásia, Andriano Erwin, a jovem Siti Aisyah, 25 anos, disse que achou que o líquido era "óleo para bebê" e não um potente líquido chamado de "agente VX", considerado uma arma de destruição em massa.    

Por causa da revelação do nome do produto químico, as autoridades de Kuala Lumpur ordenaram uma limpeza na área do uso da substância e foi fechado para os passageiros. Além de Aisyah, uma vietnamita foi presa pelo assassinato.    

Apesar das constantes negativas, é cada vez mais forte a suspeita de que o regime norte-coreano esteja por trás da morte.

Itália registrou mais de 53 mil terremotos em 2016, diz INGV

Média de tremores em 2016 ficou em 145 tremores por dia

Agência ANSA

 

A Itália registrou mais de 53 mil terremotos em 2016 de acordo com dados levantados pela Rede Sísmica Nacional e divulgados neste sábado (25) em um relatório do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV).    

De acordo com a entidade, o ano passado foi um "annus horribilis" para o país e, entre aqueles tremores, está o mais forte já registrado desde 1980, que destruiu Irpínia. "Em relação aos anos anteriores, o número de terremotos sensivelmente aumentou, com eventos que mais que dobraram na comparação com 2014 e mais que triplicaram em relação com 2015".    

Essa alta nos números é atribuída, em especial, àqueles causados pela sequência de sismos que atingiram Amatrice, Norcia e Visso. A pesquisadora da INGV, Concetta Nostro, disse à ANSA que esse cenário é diferente daqueles registrados em 2014 e 2015.    

"O elevado número de terremotos em 2016 foi causado pela sequência sísmica de 24 de agosto, com um terremoto de magnitude 6, localizado na província de Rieti, e que prosseguiu com outros eventos de magnitude acima de 5. Sobretudo, com o terremoto de magnitude 6,5 de 30 de outubro, o mais forte já registrado pela Rede Sísmica Nacional, que começou a operar nos primeiros anos da década de 1980", destacou Nostro.    

Segundo a especialista, antes do evento de agosto, a atividade sísmica estava no nível dos últimos anos e, em particular, com os últimos meses de 2015, quando havia cerca de 40 tremores por dia em todo o território italiano.    

"Mas, a sequência na Itália central começada no fim de agosto, levou essa média diária para cerca de 300 tremores e, em alguns dias, até 600, levando a média de 2016 para 145 tremores por dia", ressaltou.    

O INGV destacou que 42 mil sismos tiveram magnitude inferior a 2 graus na escala Richter, ou seja, foram de fraca intensidade.    

Outros 3,4 mil tiveram magnitude igual ou superior a 2,5 graus, cinco vezes mais do que o que foi registrado em 2015. Foram seis os eventos com magnitude superior a 5, sendo dois deles com intensidade acima de 6 graus. Nos dois primeiros meses de 2017, a sequência sísmica continua, e alguns terremotos foram registrados com intensidade igual ou superior a 4 graus no início de fevereiro.    

"A sequência é destinada a durar ainda um pouco mais porque não se pode definir improvisadamente o fim depois de eventos como aqueles que aconteceram no ano passado. Depois do terremoto de Irpínia, os tremores continuaram por dois anos", finaliza a especialista do INGV.    

Com os terremotos de 2016 e 2017, 333 pessoas perderam a vida e outras 11,7 mil pessoas continuam desalojadas porque as cidades onde viviam foram destruídas. Os danos são estimados em cerca de 23 bilhões de euros.

 

Vereador sueco propõe pausa para sexo durante o trabalho

Medida seria uma maneira de aumentar motivação dos funcionários

Agência ANSA

 

O vereador de uma cidadezinha sueca situada no Circulo Polar Ártico apresentou uma proposta inusitada para melhorar o humor dos funcionários da prefeitura: fazer sexo.

O homem por trás da ideia, Erik Muskos, vereador em Overtornea, no extremo-norte da Suécia, defende que os servidores tenham permissão para interromper o expediente e dar uma escapadinha para transar com seus parceiros - e a pausa não seria descontada do salário.

Ele alega que as relações sexuais podem aumentar a motivação e a produtividade dos funcionários e incrementar as taxas de natalidade na cidade, que tem cerca de 4,5 mil habitantes.

Segundo Muskos, a proposta já foi aceita por "quase todos" os 550 funcionários municipais e deve ser discutida pela Câmara dos Vereadores nos próximos meses. O vereador diz que os principais críticos de sua ideia são servidores idosos que acham "embaraçoso" legislar sobre o que acontece na cama.

No entanto, ele afirma que manter relações sexuais seria uma forma de combater o tédio e a depressão em uma cidade que fica boa parte do ano no escuro e debaixo de neve. "Devemos cuidar uns dos outros", disse Muskos à rede britânica "BBC". "Se assim conseguirmos melhorar nossas relações, então terá valido a pena", acrescentou. 

jornal “Diário de Notícias” (Portugal), 26.02.2017

 

 

Trump vai faltar ao jantar de correspondentes da Casa Branca

 

PUB

O Presidente tem tido uma atitude hostil para com a imprensa, acusando-a de ser "o inimigo do povo" e espalhar "notícias falsas"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje que vai faltar ao jantar de correspondentes da Casa Branca, rompendo com a tradição de chefe de Estado e jornalistas trocarem "farpas" bem humoradas e aliviarem tensões.

"Não irei ao jantar de correspondentes da Casa Branca este ano. Desejo felicidades a todos e que tenham uma grande noite", escreveu Donald Trump na rede social Twitter.

O Presidente tem tido uma atitude hostil para com a imprensa, acusando-a de ser "o inimigo do povo" e espalhar "notícias falsas".

Habitualmente, o jantar conta sempre com o Presidente e com a imprensa acreditada junto da Casa Branca, incluindo meios como os jornais New York Times e a televisão CNN, que foram barrados na sexta-feira de uma conferência de imprensa da presidência.

Do jantar, marcado para 29 de abril, já iam estar ausentes vários meios de comunicação social, que anunciaram que não iriam em represália pela atitude de Donald Trump.

A comunicação social foi um alvo recorrente de Trump durante a sua campanha eleitoral e voltou a ser assunto dominante nas declarações do Presidente desde há algumas semanas, período em que os jornalistas apontaram diariamente os erros e imprecisões nos seus discursos.

Democratas norte-americanos elegem Tom Pérez como seu novo líder

PUB

Pérez foi secretário de estado do Trabalho e foi advogado em causas de direitos civis

O Partido Democrata norte-americano elegeu hoje como líder Tom Pérez, ligado à ala mais tradicional, que se comprometeu a reforçar as estruturas locais para vencer os republicanos na próxima eleição presidencial.

De ascendência hispânica, Pérez foi secretário de estado do Trabalho e foi advogado em causas de direitos civis, e conseguiu 235 de 445 votos em disputa dos membros do Comité Nacional do partido.

Tom Pérez, de 55 anos, era apoiado pelo ex-vice-presidente Joe Biden, e ganhou o partido numa altura de crise, ainda a ressacar da derrota de Hillary Clinton frente a Donald Trump nas presidenciais de novembro passado.

O primeiro ato de Tom Pérez foi convidar o seu principal adversário, Keith Ellison, para ser seu vice-presidente, para dar um sinal de união dentro do partido.

México ameaça EUA com taxas sobre produtos americanos

 

PUB

Se os Estados Unidos taxarem as suas importações para financiar um muro entre os dois países, Governo mexicano pode ripostar

O ministro dos Negócios Estrangeiros mexicano ameaçou impor tarifas sobre produtos americanos importados se os Estados Unidos taxarem as suas importações para financiar um muro entre os dois países.

"Se o México for confrontado com esta realidade, não apenas uma ameaça retórica, o governo mexicano terá que ripostar", afirmou Luis Videgaray à rádio Formula.

O chefe da diplomacia mexicana acrescentou que a tarifa seria imposta seletivamente, para não prejudicar os consumidores do seu país.

O Presidente americano, Donald Trump, quer alargar e fortificar a barreira nos 3.200 quilómetros de fronteira entre os dois países, uma medida a que o Governo do México se opõe frontalmente.

Videgaray salientou que se os Estados Unidos taxarem os produtos mexicanos, isso prejudicará os consumidores, habituados a produtos que vão dos abacates aos eletrodomésticos.

Com o muro, Donald Trump afirma querer travar a passagem de imigrantes ilegais e drogas do México para os Estados Unidos.

O presidente do país de Melania quer apadrinhar um encontro Trump-Putin

Num momento mais oficial, o presidente esloveno posa ao lado de Vladimir Putin, com quem esteve este mês em Moscovo

  |  REUTERS/ALEXANDER ZEMLIANICHENKO

PUB

Borut Pahor foi modelo para pagar a universidade, o que lhe valeu a alcunha de Barbie. Agora é uma estrela do Instagram, onde é seguido por mais de 23 mil pessoas, e partilha fotos de atos oficiais e momentos em família

A Eslovénia não é o primeiro país no qual se pensa quando se fala em alta diplomacia, mas o presidente Borut Pahor, em funções desde dezembro de 2012, está a tentar mudar esse cenário. A ajudá-lo tem o facto de a primeira-dama dos EUA, Melania Trump, ser eslovena de nascimento, mas também as relações próximas que mantém com Angela Merkel e Vladimir Putin.

As movimentações de Pahor começaram uma semana depois da eleição de Donald Trump, com o presidente e o seu primeiro-ministro, Miro Cerar, a enviarem uma carta de agradecimento a Melania, por "aumentar a visibilidade do nosso país da Europa Central".

Várias notícias dão conta de que, antes desta missiva, Pahor já havia tido uma conversa "cordial" com o casal Trump, tendo feito um convite para visitarem a Eslovénia. "Ele [Donald] convidou a primeira--dama para vir ao telefone e falar comigo na bonita língua eslovena. Foi muito comovente. Foi um gesto bonito", contou o chefe de Estado esloveno.

No início deste mês, um novo passo, com visitas a Berlim e a Moscovo. O seu objetivo era levar o presidente russo a apoiar o cessar-fogo no Leste da Ucrânia. "Vou lá como um amigo de Moscovo pedir a um amigo para mostrar a sua sabedoria política e fazer o que está certo com o cessar-fogo", declarou Borut Pahor na sua paragem em Berlim. Apesar de a Eslovénia ser membro da NATO, da União Europeia e ter apoiado as sanções europeias contra a Rússia, tem uma posição mais ponderada em relação a Putin. Sinal disso é o facto de em julho o presidente russo ter estado em Liubliana com Borut Pahor, naquela que foi uma das raras visitas que fez a um país da UE nos últimos anos.

A visita a Moscovo serviu também para propor Liubliana como palco do primeiro encontro entre Vladimir Putin e Donald Trump. Uma oferta que o presidente russo agradeceu, dizendo que a capital eslovena seria um bom local para esse encontro, mas deixando claro que a escolha não cabe apenas a Moscovo. "Quanto a Liubliana, à Eslovénia em geral, é com certeza um lugar brilhante para manter um diálogo de tal género. Mas não depende apenas de nós, depende de uma série de circunstâncias", declarou o presidente russo depois de uma reunião com seu homólogo esloveno, Borut Pahor, em Moscovo. "Se esse encontro acontecer, não temos nada contra Liubliana", acrescentou. A 16 de junho de 2001, a capital eslovaca foi também o palco do primeiro encontro entre Vladimir Putin e o então presidente dos EUA, George W. Bush.

A popularidade de Borut Pahor, de 53 anos, deve-se também à sua conta de Instagram, que já conta com mais de 23 mil seguidores (cerca de 1% da população da Eslovénia). Nas 283 fotografias que partilhou até ontem, o presidente da Eslovénia mostra aspetos mais oficiais da sua rotina, mas também retratos com a mulher - com quem tem um filho -, encontros com celebridades como Naomi Campbell ou Bono, ou momentos de lazer. Chega mesmo a brincar com a alcunha de Barbie, que ganhou quando foi modelo para pagar a faculdade, numa foto em que aparece a ser maquilhado. Pahor até já inspirou uma hashtag (#boruting), que os eslovenos usam quando querem gozar com as suas poses ou personas - antes das presidenciais, Pahor começou a posar para as câmaras encarnando as mais diferentes profissões, desde mecânico a talhante, lenhador ou cabeleireiro, fotos que deram origem a um calendário.

Apesar da sua experiência política - foi presidente do Parlamento (de 2000 a 2004) e primeiro-ministro (entre 2008 e 2012) - a vitória nas presidenciais de 2012 foi uma surpresa, tendo-se tornado o mais jovem chefe de Estado do país e o primeiro a ocupar os três mais altos cargos políticos da Eslovénia.

As sondagens mostram que a sua reeleição em outubro parece ser uma certeza: dados revelados neste mês pelo jornal Delo mostram que 52% dos eslovenos têm uma imagem positiva de Pahor, com apenas 16% a dizerem ter uma impressão negativa do presidente.

"Temos no poder o que há de mais corrupto na política brasileira"

Ciro Gomes foi candidato às presidenciais em 1998 e em 2002

  |  ARQUIVO REUTERS

PUB

Terceiro mais votado nas presidenciais de 1998 e quarto classificado nas de 2002, com resultados de cerca de sete e de dez milhões de votos, Ciro Gomes deve concorrer novamente em 2018.

O objetivo de Ciro Gomes é unir toda a esquerda para as presidenciais do próximo ano. Para isso, são importantes os próximos passos de Lula. Entretanto, com a autoridade de ser um dos raros políticos brasileiros sem contas a prestar em tribunal, ataca o atual executivo

Como avalia o governo de Michel Temer até agora?
Um desastre perigoso para o Brasil. Sob qualquer ângulo que se olhe para o que está sendo feito por este governo que não foi eleito democraticamente, a situação é preocupante. Ao mesmo tempo que mantém uma política económica refém do capital especulativo, voltada para garantir ganhos imorais aos poucos que lucram com os mais altos juros do planeta, também fere de morte os direitos mais básicos dos brasileiros, como os laborais e o de uma reforma digna. Infelizmente temos hoje no poder o que há de mais corrupto na política brasileira.
Limite ao teto de gastos, reforma da segurança social. Estas reformas - talvez as duas mais emblemáticas do governo - são, de facto, necessárias?
É preciso esclarecer primeiramente que qualquer reforma que for proposta por um governo que não foi eleito democraticamente e que assumiu o poder no país através de um golpe não tem legitimidade para ser colocada em vigor. O teto nos gastos públicos vai impedir o Brasil de investir em áreas sensíveis, como saúde e educação, além de tirar a autonomia de estados e municípios de interferirem para melhorar os serviços públicos nas suas regiões. Já a reforma da segurança social, por mais que seja uma questão que vem sendo discutida no mundo todo e que no Brasil também deva ser revista, está sendo proposta sem levar em consideração as grandes desigualdades do país. Não é razoável que um professor tenha de trabalhar 49 anos para conseguir uma reforma. Um profissional carvoeiro não tem esperança de vida superior a 65 anos. O que este governo está sinalizando ao povo é que ele terá de trabalhar até morrer sem poder gozar de uma reforma digna.
O governo Temer sustenta boa parte do seu poder na relação com o Congresso: como avalia o papel do legislativo, cuja imagem, inclusivamente internacional, é tão negativa?
Infelizmente temos um congresso que, salvo honrosas exceções, sucumbiu à corrupção, à troca de favores e aos interesses particulares em detrimento dos públicos.
Como vê as nomeações de Moreira Franco e Alexandre de Moraes, entre outros movimentos de Temer considerados prejudiciais à Lava-Jato?
Sem dúvida são condenáveis. Mas tenho dito que não se pode esperar colher um maracujá de um pé de maçã. Temer, Moreira Franco, Eliseu Padilha, Alexandre de Moraes e tantos outros que fazem parte deste governo estão em um mesmo barco que exala o cheiro podre da corrupção e uso indevido de suas funções.
E do judiciário? Qual a sua opinião, na qualidade de um dos raros presidenciáveis sem problemas com a justiça?
O momento pelo qual passa o Brasil me faz relembrar que tenho 37 anos de vida pública, tendo sido governador, prefeito, ministro das Finanças, deputado estadual, federal e ministro da Integração Nacional sem ter, em todo este tempo, respondido a nenhum inquérito, nem que seja para ser absolvido. Isso não é mais do que minha obrigação ou de qualquer outra pessoa que se dedique à vida pública. Mas o judiciário brasileiro está passando por um momento muito delicado. Ao mesmo tempo que tem nas mãos uma operação que pode ser um marco contra a corrupção no Brasil, que é a Lava-Jato, por outro está se esvaindo em um jogo de vaidades e erros que, se não corrigidos e punidos severamente, podem jogar todo este esforço na lata do lixo da história. Infelizmente o Supremo Tribunal Federal (STF) está mantendo sua tradição de se manter alheio aos acontecimentos no Brasil e ratificando golpes contra nossa tão jovem e frágil democracia.
A operação Lava-Jato tem condições de mudar o Brasil?
Como disse, a Lava-Jato pode ser um marco contra a corrupção no Brasil. No entanto, quem tem o dever de zelar pela sua correção pode estar se deixando levar pela vaidade. Um bom juiz é aquele que é severo e fala pelos autos. Além disso, a Lava-Jato, preservando a presunção de inocência de qualquer investigado, deve impor o rigor da lei a qualquer envolvido, sem distinção partidária.
Já admitiu ter vontade de ser presidente, é dado como candidato certo do campo da esquerda. O que mudaria, prioritariamente, uma vez no cargo?
O Brasil precisa de voltar a crescer. Isso só será possível se conseguirmos unir quem produz e quem trabalha. Tenho defendido um projeto nacional desenvolvimentista que, entre outras coisas, pretende recuperar a indústria brasileira, investindo principalmente em áreas sensíveis como, por exemplo, no complexo industrial da saúde e no agronegócio. O Brasil tem hoje a agricultura mais competitiva do planeta, mas importa 40% da matéria-prima de sua produção. O país também importa 80% dos insumos usados em nossos medicamentos, sendo que boa parte deles já tem patente vencida. Podemos criar centros de pesquisa e tecnologia reversa e garantir através de compra governamental a viabilidade destas indústrias.
Em que medida a eventual candidatura de Lula interfere numa sua?
Lula tem uma história com o Brasil muito importante. Uma possível candidatura dele polarizará a campanha contra aqueles que tiraram a Dilma da presidência e pode inviabilizar outras forças que lutaram contra o golpe. Vou pensar cem vezes antes de ser candidato e, se Lula também o for, faremos essa avaliação com ainda mais critério.
Qual a o timing ideal para apresentar a sua candidatura a 2018?
Esta é uma definição que confio ao meu partido, o PDT, sob a presidência de Carlos Lupi.
Já se candidatou duas vezes com bons resultados: sente-se mais preparado e mais experiente hoje?
Posso dizer que estou mais maduro e mais consciente das minhas qualidades e limitações. Mas, mais do que isso, conheço melhor o Brasil e as suas potencialidades.

São Paulo

jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), 26.02.2017

Homem lança veículo contra multidão nos EUA e fere 28 pessoas

Um homem avançou com um veículo que assistia a um desfile na cidade norte-americana de Nova Orleães e feriu 28 pessoas. O suspeito foi detido pela polícia.

A multidão assistia à parada conhecida como "Krewe of Endymion".

O chefe da polícia, Michael Harrison, disse que o suspeito estava a ser investigado por condução sob o efeito de de substâncias tóxicas.

Questionado sobre se se tratava de um caso de terrorismo, Michael Harrison não refutou essa possibilidade, mas disse que parecia ser um caso de condução sob o efeito do álcool ou drogas.

"Suspeitamos que o suspeito estava altamente intoxicado", disse.

Vinte e oito pessoas foram hospitalizadas depois do acidente, incluindo cinco vítimas com prognóstico reservado. Outras sete pessoas recusaram tratamento hospitalar, disse o diretor dos serviços de emergência, Jeff Selder.

As vítimas têm entre três e 40 anos de idade, disse Selder.

Entre os feridos está uma polícia de Nova Orleães.

O acidente foi reportado no final da tarde de sábado, pelas 18:45, hora local.

Inicialmente, a porta-voz do departamento de polícia Ambria Washington disse que as informações preliminares indicavam que havia "cerca de 12 pessoas em estado crítico".

A testemunha Carrie Kinsella disse ao The New Orleans Advocate que um camião de cor prateada passou por ela a pouca distância quando ela estava a passar um cruzamento.

Kourtney McKinnis, de 20 anos, disse à mesma publicação que o condutor do camião parecia não ter consciência do que tinha acabado de fazer.

"Ele parecia fora de si", disse.

Filho de lenda do boxe detido em aeroporto dos EUA por ser muçulmano

Um advogado amigo da família de Muhammad Ali afirmou que o filho da lenda do boxe foi detido no aeroporto da Florida por funcionários da imigração que lhe perguntaram se era muçulmano.

Chris Mancini contou ao Courier-Journal, em Louisville, Kentucky, que Muhammad Ali Jr., de 44 anos, e a mãe, Khalilah Camacho-Ali, a segunda mulher de Muhammad Ali, chegaram ao aeroporto internacional de Fort Lauderdale a 7 de fevereiro, após regressarem da Jamaica.

Segundo Mancini, as autoridades questionaram Ali Jr. durante quase duas horas, perguntando-lhe repetidamente: "De onde é que vem o teu nome? É muçulmano?"

De acordo com o amigo da família, os funcionários continuaram a fazer perguntas a Ali Jr. mesmo depois de ficarem a saber que era muçulmano.

Ali Jr. nasceu em Filadélfia e tem passaporte norte-americano é filho de um dos maiores pugilistas de todos os tempos, Muhammad Ali, que nasceu Cassius Clay Jr. e se converteu ao islão no início dos anos de 1960. Foi também um ativista contra o racismo, tendo marcado presença ao lado de Malcolm X e Martin Luther King.

Funcionários da Agência de Alfândegas e Controlo de Fronteiras (CBP) afirmaram que "não podem discutir [casos] de viajantes individuais", argumentando que "todos os viajantes internacionais que chegam aos Estados Unidos estão sujeitos à inspeção do CBP".

Agente químico matou meio-irmão de Kim Jung-un em cerca de 20 minutos

O ministro da Saúde da Malásia disse, este domingo, que o meio-irmão do líder da Coreia do Norte morreu entre 15 e 20 minutos depois de ser envenenado com uma alta dose do químico VX, um poderoso agente nervoso.

Estes são os resultados da autópsia feita a Kim Jung-nam, meio-irmão do Presidente Kim Jung-un, divulgados, este domingo, pelo ministro da Saúde da Malásia, Subramaniam Sathasivam.

Os resultados da autópsia revelam que a vítima, de 45 anos, sucumbiu a uma "paralisia muito grave" e morreu "num tempo muito curto", declarou.

O ministro da Saúde disse que a dose de VX dada a Kim foi tão alta que "teria afetado o seu coração e os seus pulmões".

Subramaniam Sathasivam declarou ainda que apenas 10 miligramas de VX é letal, presumindo que a quantidade da dose dada à vítima "foi maior do que isso".

Kim Jung-nam - meio-irmão do Presidente norte-coreano Kim Jung-un - morreu a caminho do hospital em Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro, depois de ser abordado no aeroporto malaio e atacado com o químico VX.

A Coreia do Sul acusou o Governo de Kim Jung-un pelo assassínio do meio-irmão do líder norte-coreano.

jornal “Jornal de Angola” (Angola), 26.02.2017

Presidente dos Estados Unidos retoma corrida aos armamentos


26 de Fevereiro, 2017

O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, prometeu ontem recuperar o poderio militar que fez do país uma superpotência, quando discursava na Conferência de Acção Política Conservadora (CPAC).

Donald Trump argumentou que “não está a representar o Mundo, mas antes os Estados Unidos. (...) Somos norte-americanos e o futuro pertence a nós”. A cooperação global, segundo Donald Trump, está a caminhar bem. Ele distanciou-se do multilateralismo ao afirmar que “não existe uma moeda global ou uma bandeira defendida por todos os países do Mundo”.
Perante uma plateia formada por activistas conservadores de todo o país, que se reuniram num complexo hoteleiro nos arredores de Washington, Donald Trump prometeu que os EUA vão voltar a impor o seu poderio militar graças ao grande aumento na despesa no sector da defesa.
“Ninguém vai-se meter connosco”, disse o Presidente dos EUA. “Quando foi a última vez que ganhámos? Quando foi a última vez que ganhámos uma guerra?”, questionou Donald Trump, tendo ressaltado a crença no conceito de “paz através da força”.
O discurso nacionalista de Donald Trump na CPAC lembrou os comícios durante a campanha eleitoral. Enquanto o Presidente falava, os presentes gritavam “EUA, EUA, EUA”. 

Críticas da Rússia

Representantes do Senado da Rússia criticaram Donald Trump por defender a supremacia nuclear e colocar em dúvida o tratado de desarmamento Start, assinado entre ambos os países em 2009.
“Começar a Presidência a colocar em questão um tratado internacional entre a Rússia e os Estados Unidos não é a melhor forma de levar à prática a não proliferação nuclear”, disse Victor Ozerov, chefe do comité de Defesa e Segurança do Senado a meios de comunicação social russos.
Victor Ozerov lembrou que os tratados internacionais “são a base do controlo sobre as armas nucleares” e ressaltou que as intenções de Donald Trump de aumentar o potencial estratégico não respondem à estabilidade, ao entendimento mútuo e à segurança no Mundo. 
“A Rússia é categoricamente contrária a que esse acordo deixe de existir. Insistiremos no seu prolongamento”, afirmou. 
O chefe da comissão de Assuntos Internacionais do Senado, Konstantin Kosachov, questionou se o lema eleitoral de Donald Trump de fazer os EUA “grande de novo” significa a hegemonia no âmbito nuclear. Nesse caso, acrescentou, Donald Trump devolve o Mundo aos tempos da corrida armamentista das décadas de 50 e 60 do século XX, quando as partes em conflito tentavam garantir a sua segurança nacional através da superioridade militar sobre o seu rival.
Konstantin Kosachov lembrou que o Start baseia-se na paridade nuclear entre ambos os países, afim de impedir precisamente essa supremacia nuclear e que o tratado expira em 2021. “Chegaram novos tempos? A melhor resposta seria um acordo ao máximo nível para o início de negociações em breve sobre o futuro do Start depois de 5 de Fevereiro de 2021. Menos de quatro anos, justamente o mandato presidencial de Trump”, disse o senador. Em declarações à imprensa, Donald Trump ressaltou que, em matéria de arsenal nuclear, os EUA devem estar à frente de todos e considerou mau o tratado Start, assinado em 2009 em Praga pelos então Presidentes dos EUA, Barack Obama, e Rússia, Dmitri Medvedev.
“Seria maravilhoso, um sonho, se nenhum país tivesse armas nucleares, mas nunca vamos estar atrás de nenhum país, inclusive se for um amigo. Estamos à frente de todos”, comentou, nesses termos, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para fazer percber o seu plano. “Vamor agir, e, para isso, temos que começar já”, disse Trump.

 

Avião bombardeia alvos rebeldes em Alepo


26 de Fevereiro, 2017

Aviões da Síria realizaram ontem ataques contra posições rebeldes nas províncias de Deraa, Hama e Alepo em resposta aos disparos contra alvos do Governo, numa altura em que vão ser retomadas as conversas de paz em Genebra após um paragem de dez meses.


O nível geral da violência no Oeste sírio foi menor do que nos dias anteriores, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), com sede no Reino Unido. Em Deraa, província do Sul onde os confrontos se intensificaram durante a semana passada, terroristas islâmicos do “Estado Islâmico” (“EI”) detonaram um carro-bomba e helicópteros das Forças Armadas sírias lançaram explosivos, relatou o Observatório.
Enquanto isso, forças governamentais bombardearam áreas no extremo oeste de Alepo e caças alvejaram os arredores de uma área onde o Exército e os seus aliados avançaram na quarta-feira, disse o OSDH.
As operações aéreas mantêm a mesma envergadura e aviões estão a causar danos incalculáveis aos jihadistas, que em muitas cidades estão a juntar à população civil, para escapar entre a multidão. As Forças Armadas Sírias desdobraram efectivos nos arredores das cidades em que os membros do Estado islâmico ainda mantém bolsas de resistência, o que está a dificultar o apoio logístico ao grupo. Segundo a imprensa síria, o Ministério da Defesa acredita que até ao mês de Junho o território vai estar livre de grupos extremistas. 
Para o Governo, todos os grupos que estão interessados nas conversas de paz  de Genebra começaram a demonstrar um comportamento de solidariedade e empenho na estabilização do país.  As conversações de Genebra vão acontecer depois de quase dois meses de um cessar-fogo cada vez mais frágil entre o Governo de Damasco e os rebeldes e com acusações de ambas as partes.
Membros do Exército Livre Sírio (ELS), que contam com o apoio das Forças Armadas da Turquia no Norte da Síria, anunciaram ontem a conquista da cidade de Al Bab, principal reduto do Estado Islâmico. Segundo à agência EFE, Osama Abu Zeid, porta-voz do ELS, os combatentes desta aliança de forças rebeldes conseguiram libertar totalmente a cidade de Al Bab, com o apoio das forças turcas.

Combate aos rebeldes

Os rebeldes começaram a retirada depois dos ataques aéreos turcos e bombardeamentos da artilharia, destacou Osama Abu Zeid, que acrescentou que os combatentes do ELS estão agora a rastrear a cidade em busca de bolsas de resistência e de explosivos.
Nos confrontos de ontem morreram pelo menos 37 rebeldes e vários combatentes do ELS ficaram feridos. O OSDH afirmou, em comunicado, que a maior parte de Al Bab continua fora do controlo das forças turcas e das facções rebeldes.
O Observatório detalhou que os bairros de Al Filat, Al Msari e a praça de Marto, assim como parte dos distritos de Al Salam e Zamzam, continuam nas mãos dos rebeldes, apesar dos bombardeamentos.
Os rebeldes sírios e as tropas turcas iniciaram a ofensiva em Al Bab no dia 7 de Fevereiro e, desde então, pelo menos 124 pessoas morreram, entre elas 38 crianças e 27 mulheres, segundo dados do OSDH.
As tropas turcas e as facções rebeldes sírias montaram o cerco à cidade em 10 de Dezembro de 2016, no âmbito da operação Escudo de Eufrates, iniciada em Agosto e cujo objectivo é expulsar da área tanto o Estado Islámico quanto às milícias curdo-sírias. As autoridades turcas anunciaram que após a batalha por Al Bab, situada a 30 quilómetros a sul da fronteira, a operação continua com o objectivo de expulsar o Estado Islàmico da cidade síria de Raqqa.

 

Serviços secretos espiaram imprensa em vários países


26 de Fevereiro, 2017

O Serviço Federal de Informação da Alemanha (BND), órgão de contra-informação que opera no estrangeiro, espiou desde 1999 diversos meios de comunicação social, como a emissora de rádio e televisão BBC, a agência Reuters e o jornal “The New York Times”, afirmou na sexta-feira a revista “Der Spiegel”.


A”Der Spiegel” publicou no seu “site” um trecho de um artigo que vai sair amanhã na edição imprensa da revista. Segundo a publicação, há documentos que confirmam a espionagem do BND a, pelo menos, 50 “selectores” - termo que inclui números de telefone, fax e “e-mails” - de diferentes jornalistas e redacções de todo o Mundo.
Entre os objectivos, a inteligência alemã tinha, por exemplo, uma dúzia de conexões de correspondentes da BBC no Afeganistão com a redacção central em Londres, além de várias redacções do serviço internacional. Na lista também aparece um correspondente do “The New York Times” no Afeganistão e conexões de celulares e telefones por satélite da agência Reuters no Afeganistão, Paquistão e Nigéria. O BND, segundo a “Der Spiegel”, negou-se a comentar os documentos, que foram divulgados após a conclusão dos trabalhos de uma comissão de investigação do Parlamento que analisou durante quase três anos o escândalo de espionagem dos EUA em países aliados e a colaboração fornecida pelos serviços secretos da Alemanha.
A última audição da comissão ocorreu no dia 16 de Fevereiro, com a presença da Chefe do Governo Angela Merkel, que reiterou a sua rejeição à “espionagem entre amigos”. Para Angela Merkel, as práticas do período da Guerra Fria devem pertencer ao passado. 
Angela Merkel afirmou que desconhecia actividades de espionagem do BND a parceiros e instituições da União Europeia até ao escândalo ter sido divulgado.

 

Aberto inquérito a François Fillon


26 de Fevereiro, 2017

O inquérito às suspeitas de empregos fictícios, que incidem sobre a família do candidato da direita à eleição presidencial francesa, François Fillon, vai ser feito por juízes de instrução, anunciou sexta-feira à noite a Procuradoria financeira. 

Em comunicado, a instituição judicial francesa encarregada da delinquência económica e financeira adiantou que abriu sexta-feira, uma investigação por “desvio de fundos públicos, abuso de bens sociais, cumplicidade e encobrimento destes delitos, tráfico de influência e desrespeito das obrigações de declaração à Alta Autoridade sobre a Transparência da Vida Pública”. Depois de uma investigação preliminar aberta em 25 de Janeiro, a Procuradoria decidiu avançar com este inquérito.

Read 38 times