InterAffairs

Qui.11232017

Last update09:48:30 AM

Leia nesta edição:
RUS ENG FR DE PL ESP PT ZH AR

Font Size

SCREEN

Profile

Layout

Menu Style

Cpanel
sábado, 25 fevereiro 2017 23:18

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), jornal “Folha de São Paulo” (Brasil), jornal “Diário de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), jornal “Jornal de Angola” (Angola)

jornal “Diário de Notícias” (Brasil), 23.02.2017

 

Equador confirma que haverá segundo turno em eleição presidencial

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 23/02/2017 01:49:00

A comissão eleitoral do Equador anunciou formalmente na noite desta quarta-feira (22) que haverá segundo turno na eleição presidencial do país. O governista Lenín Moreno e o oposicionista Guillermo Lasso vão disputar a preferência do eleitorado no dia 2 de abril.

O primeiro turno foi realizado no domingo. Desde então, o país manteve a expectativa sobre o resultado do pleito. O lento processo de apuração mostrava que Moreno tinha pouco menos de 40% dos votos, enquanto Lasso se mantinha ligeiramente abaixo dos 30% - para vencer no primeiro turno, é preciso obter 40% da preferência do eleitorado e abrir dez pontos sobre o segundo colocado.

Nesta quarta-feira, a contagem dos votos atingiu os 99,5% do total, com o governista somando 39,3% e o oposicionista, 28,1%. Não há mais margem estatística, portanto, para que Moreno vença no primeiro turno.

O vencedor do segundo turno vai substituir Rafael Correa, presidente do Equador desde 2007.

Governo Trump amplia lista de imigrantes deportáveis e endurece regras do setor

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/02/2017 16:31:37

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (United States Department of Homeland Security – DHS, na sigla em inglês) ampliou terça-feira (21) o número de pessoas em situação irregular no país e que poderão ser deportadas, além de determinar mais rigor no cumprimento das leis migratórias existentes. As diretrizes para a lista de "deportáveis" foram alteradas por meio de dois memorandos, assinados pelo secretário de Segurança Interna, John Kelly.

 

Com as novas medidas, o perfil para deportações será ampliado e será mais complicado o pedido de asilo no país. Além disso, qualquer imigrante que vive ilegalmente nos EUA e que tenha sido acusado ou condenado por crimes, passa a ser tratado com prioridade para deportação. A mudança inclui todos os tipos de crimes, furtos e delitos de trânsito, além daqueles que já eram considerados nas diretrizes anteriores, como tráfico de drogas, violência ou homicídio.

 

Durante o governo Obama foram deportados mais de dois milhões de imigrantes em situação irregular, mas a maioria, segundo o governo eram de casos de imigrantes que haviam cometido crimes graves. A promessa de campanha de Trump era de deportar 11 milhões de imigrantes irregulares. Mas, ao ganhar as eleições, ele voltou atrás na quantidade e disse que deportaria cerca de três milhões de imigrantes indocumentados que possuem problemas com a Justiça.

 

A quantidade exata  de imigrantes passíveis de deportação ainda é desconhecida, porque estudos de ONGs independentes revelam que não há no país três milhões de imigrantes que tenham cometido crimes. Para analistas, para chegar a este número, o governo poderia, por exemplo, começar a deportar pessoas que dirigem sem carteira de motorista no país.

 

As informações sobre como as deportações serão executadas também ainda não estão claras, mas o documento assinado hoje aumenta os recursos da Imigration and Customs Enforcement (ICE), o órgão responsável pela imigração do país.  

 

 

Ex-presidente da Ucrânia envia a Trump proposta de paz com a Rússia

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/02/2017 16:28:00

O ex-presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, enviou à Casa Branca um plano de paz para encerrar o conflito entre seu país e a Rússia, na mais nova tentativa de terceiros de influenciar as decisões de Washington.

Yanukovych, que vive em um auto-imposto exílio na Rússia fugiu do país em meio a protestos contra seu governo em 2014. Sua proposta chega em meio ao desmonte do cessar-fogo intermediado pela Europa para encerrar o conflito de três anos.

A carta não deve ser levada a sério ou ter muita chance de sucesso, dizem analistas, uma vez que Yanukovych tem pouco apoio dentro de seu país e ainda menos credibilidade no Ocidente após fugir para Moscou, de onde emite declarações apoiando a política do Kremlin.

Confrontos entre tropas ucranianas e forças separatistas apoiadas pela Rússia voltaram a acontecer este mês, enterrando ainda mais o acordo de paz atingido dois anos atrás com a ajuda da Alemanha e da França. A chegada de propostas de terceiros para encerrar o conflito mostra a falta de direção que o assunto parece ter tomado.

"É sinal de que a implementação do atual acordo é insustentável", afirmou Balazs Jarabik, do Carnegie Endowment for International Peace. "As pessoas estão cheias da guerra, mas o governo ucraniano não consegue entrar em acordo com nada que possa ser visto como uma traição". Fonte: Associated Press.

jornal “Jornal do Brasil” (Brasil), 23.02.2017

 

Conselho de Segurança da ONU debate conflitos na Europa

 

O Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou ontem (21) um debate aberto sobre conflitos na Europa. No encontro, o secretário-geral da ONU, António Guterres, lembrou que as duas grandes guerras que ocorreram no continente na primeira metade do século XX tiveram um papel decisivo  na fundação das Nações Unidas e no Conselho, que "nasceu da convicção que tais conflitos podem e devem ser evitados". As informações são da Rádio ONU.

Segundo Guterres, nos últimos 70 anos os países da Europa têm estado na "linha de frente da prevenção de conflitos". Para ele, "instituições europeias mostram eficácia em ligar países com mecanismos baseados em regras para resolver diferenças sem recorrer à violência". No entanto, o secretário-geral afirmou que não se pode considerar a paz e prosperidade europeias como garantidas, alertando que "a transição para um mundo multipolar está criando imprevisibilidade e riscos maiores".

Chipre e Ucrânia

Ele ressaltou que a ONU está liderando algumas ações relacionadas à paz na Europa, incluindo negociações para uma solução "abrangente e durável" para a questão de Chipre [conflito entre a República de Chipre e a Turquia que opõe a maioria grego cipriota e a minoria turco cipriota da ilha]. Guterres destacou que as Nações Unidas, e ele pessoalmente, estão à disposição das duas comunidades cipriotas e dos países avalistas "para apoiar a busca de uma solução que seja aceitável a todos".

O secretário-geral declarou ainda que as "crises na Geórgia, em 2008, e na Ucrânia, em 2014, mostram que a Europa permanece em risco de novos focos de conflito". Para o chefe da ONU, o "trágico conflito em curso" na Ucrânia mostra que a "violência localizada tem o potencial de escalar para confrontos mais sérios".

Guterres declarou que, em conformidade com resoluções do seu Conselho de Segurança e da sua Assembleia Geral, as Nações Unidas permanecem comprometidas em apoiar uma solução pacífica para o conflito, de maneira que defenda plenamente a soberania, integridade territorial e independência da Ucrânia".

Paz e desenvolvimento

O secretário-geral defendeu que os conflitos na Europa não são uma tragédia apenas para os que são envolvidos diretamente, mas também estão revertendo ganhos de desenvolvimento e impedindo comunidades e sociedades de atingirem seu pleno potencial para contribuir com prosperidade regional e global.

Guterres ressaltou que "avanço econômico e desenvolvimento sustentável são baseados em paz de longo prazo que, por sua vez, exigem paz e segurança e respeito pelos direitos humanos".

Supremo da Rússia aprova libertação de ativista opositor

Ildar Dadin foi condenado por participar de manifestações

 

A Suprema corte da Rússia aprovou nesta quarta-feira (22) a libertação imediata do ativista opositor Ildar Dadin, condenado a dois anos e meio de prisão por participar de várias manifestações contra o governo e acumular faltas administrativas.   

A medida foi adotada em virtude de uma recente sentença do Tribunal Constitucional, que estabeleceu que a legislação só pode ser aplicada quando as faltas administrativas colocam um "perigo para os cidadãos e a ordem pública".    

Segundo as autoridades, a população só pode ser condenada a prisão por reiteradas transgressões formais às normas que regulamentam a realização de comícios e manifestações. Desta forma, foi ordenada a revisão da condenação imposta a Dadin.    

A decisão emitida pelo Supremo entrou em vigor imediatamente. No entanto, o opositor ao governo russo só será libertado quando a documentação chegar à penitenciária da região da República Altaica, onde se encontra o detento, o que pode levar alguns dias.    

"É preciso respeitar as decisões dos tribunais, mais ainda as do Supremo", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.    

Dadin foi o primeiro a ser preso conforme a nova lei que proíbe protestos anti-Kremlin e pune com prisão o ato de cometer faltas administrativas durante comícios e manifestações em um período de 180 dias. 

Cristão é queimado vivo pelo Estado Islâmico no Egito

Pai do homem também foi morto, mas a tiros

Agência ANSA

 

Um cristão egípcio foi queimado vivo pelo Estado Islâmico (EI, ex-Isis) e seu pai foi assassinado a tiros em Alarixe, na região nordeste da península do Sinai. Segundo fontes de segurança do Egito, as duas mortes aconteceram após os jihadistas terem ameaçado atacar cristãos egípcios, principalmente os do grupo étnico-religioso dos copta, através de um vídeo publicado por eles na madrugada na última segunda-feira, dia 20. 

O homem que foi queimado vivo se chamava Medhat Hana e tinha 45 anos. Já a vítima que foi morta a tiros era seu pai, Saad, de 65 anos. À ANSA, as fontes de segurança do país apenas confirmaram a causa da morte dos dois e que os corpos foram encontrados na manhã desta quarta-feira (22) "atrás de uma escola no centro de Alarixe". 

Os coptas representam cerca de 10&% da população do Egito e a maior comunidade cristã do Oriente Médio. Por isso, os jihadistas egípcios do EI afirmaram em vídeo que este grupo era a "presa favorita" do Estado Islâmico e que o atentado a uma igreja no Cairo que resultou na morte de 27 pessoas foi "apenas o começo" da perseguição contra esses "infiéis". Só neste ano outros três coptas foram mortos a tiros em Alarixe, onde o grupo terrorista conduz há três anos e meio uma sangrenta guerrilha contra as forças armadas do Egito.

Diplomata norte-coreano é suspeito da morte de Kim Jong-nam

Hyon Kwang Song teria sido o "supervisor" do assassinato

Agência ANSA

 

A Polícia da Malásia afirmou nesta quarta-feira (22) que um diplomata da Coreia do Norte está entre os suspeitos de participação no assassinato de Kim Jong-nam, meio-irmão do líder Kim Jong-un, ocorrido no dia 13 de fevereiro.

Hyon Kwang Song é segundo secretário da embaixada de Pyongyang na capital malaia, Kuala Lumpur, e seria o "supervisor" do crime. Em coletiva de imprensa, o chefe da Polícia local, Khalid Abu Bakar, disse que não é possível afirmar que o regime de Kim Jong-un está por trás do homicídio, mas ressaltou que é "certo" que houve a participação de norte-coreanos.

Até o momento, quatro suspeitos foram presos, sendo uma indonésia, uma vietnamita, um malaio e um homem da Coreia do Norte. Outros sete cidadãos de Pyongyang são investigados: quatro deles fugiram para seu país e tiveram a extradição solicitada pela Malásia, e três estão desaparecidos, incluindo Song e um funcionário da companhia aérea de bandeira Air Koryo.

O crime foi executado por duas mulheres - supostamente a indonésia e a vietnamita presas -, que teriam aplicado uma toxina venenosa nas mãos e as esfregado no rosto de Kim Jong-nam. O ataque ocorreu no aeroporto de Kuala Lumpur e foi flagrado pelas câmeras de segurança do local.

O meio-irmão de Kim Jong-un era fruto da relação entre seu pai, Kim Jong-il (1941-2011), e uma atriz. Ele chegou a ser considerado o possível sucessor do "querido líder", mas nunca demonstrou interesse pela política e caiu em desgraça em 2001, ao tentar entrar no Japão com um passaporte falso. 

Ladrões tentam roubar corpo de Kim Jong-nam na Malásia

Identidade do ladrão foi descoberta, mas ainda não foi divulgada

Agência ANSA

 

Uma pessoa tentou roubar o corpo de Kim Jong-nam, meio-irmão do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, sem sucesso, do necrotério do hospital onde se encontra na Malásia. As informações são da polícia do país asiático, que afirmou saber a identidade do ladrão, mas que ainda não a divulgou para a imprensa. (ANSA)

jornal “Diário de Notícias” (Portugal), 23.02.2017

 

 

Ministro dos Negócios Estrangeiros brasileiro demite-se

 

PUB

José Serra invoca problemas de saúde para deixar o governo de Michel Temer

O ministro dos Negócios Estrangeiros brasileiro, José Serra, apresentou esta quarta-feira demissão do cargo, invocando problemas de saúde.

A imprensa brasileira noticia que Serra entregou pessoalmente a carta de demissão ao Presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Na carta de demissão, o ministro demissionário afirma que deixa o cargo "com tristeza", mas que os seus problemas de saúde impedem-no de cumprir as viagens internacionais que o cargo implica.

Serra acrescenta ainda que os seus médicos aconselharam-lhe um período de quatro meses de repouso para um "restabelecimento adequado" da sua saúde.

"Para mim, foi motivo de orgulho integrar sua equipe. No Congresso, honrarei meu mandato de senador trabalhando pela aprovação de projetos que visem à recuperação da economia, ao desenvolvimento social e à consolidação democrática do Brasil", conclui José Serra na carta.

José Serra, que tomou posse em maio do ano passado, foi submetido a uma cirurgia à coluna em dezembro passado.

Forças iraquianas iniciam ataque a aeroporto de Mossul

 

PUB

Aeroporto é um dos pontos estratégicos do lado oeste da cidade que foi há dois anos capturada pelo Estado Islâmico

As forças de segurança iraquianas começaram hoje uma operação contra o aeroporto de Mossul, um dos pontos estratégicos do lado oeste da cidade, ainda sob controlo do grupo extremista Estado Islâmico.

As forças especiais da polícia federal atacaram o aeroporto iraquiano, enquanto o exército atacou o quartel de Al Gazalani, um dos mais importantes do Estado Islâmico no sudoeste de Mossul, segundo anunciou o comandante das Operações Conjuntas, o general Abdelamir Yarala.

As forças iraquianas lançaram a 17 de outubro uma operação para recuperar Mossul, a segunda maior cidade do país, "capital" do grupo Estado Islâmico no Iraque há dois anos.

Cinco mortos e 21 feridos em atentado no Paquistão

 

PUB

Registaram-se duas explosões em Lahore. Só a primeira provocou vítimas

Pelo menos cinco pessoas morreram e 21 ficaram feridas depois de uma bomba explodir hoje num edifício de uma zona comercial em Lahore, no Paquistão, segundo a polícia.

"Foi um atentado à bomba", disse Nayab Haider, porta-voz da polícia provincial de Punjab. O número de mortos foi disponibilizado pela porta-voz dos serviços de emergência Deeba Shehnaz.

Uma segunda explosão, registada minutos depois, não prpvocou vítimas.

O Paquistão tem sido alvo de vários atentados nas últimas semanas, com pelo menos 130 mortos e centenas de feridos. O pior ataque aconteceu já este mês na província de Sindh, em que morreram 90 pessoas.

 

Três dos novos exoplanetas "terrestres" podem ter oceanos

 

PUB

Novo sistema solar com sete planetas idênticos à Terra é um novo marco no estudo de estrelas distantes com planetas na sua órbita

A descoberta de sete "Terras" de uma só vez, num sistema solar distante, que ontem foi anunciada pela NASA, e que é publicada hoje na revista Nature, é um novo marco na investigação sobre exoplanetas. Esta é a primeira vez que se identifica um tão grande número de planetas idênticos à Terra num único sistema solar. Mas há mais: a maioria destes novos mundos serão rochosos e pelo menos três poderão ter oceanos de água líquida - e, quem sabe, talvez vida.

Na órbita de uma estrela chamada Trappist-1 (o nome é o do teles-cópio do ESO, instalado no Chile, que permitiu fazer a descoberta), a cerca de 40 anos-luz de distância daqui - na verdade, muito próximo, se se considerar a dimensão astronómica do universo -, este verdadeirojackpot planetário vem também confirmar uma outra coisa essencial, a de que os planetas idênticos à Terra serão a regra, e não a exceção, na órbita das estrelas da Via Láctea. Com a vida, provavelmente, também será assim, mas isso, neste momento, ainda não é possível saber.

A descoberta ontem anunciada foi feita por uma equipa internacional de cientistas, coordenada por Michaël Gillon, do Instituto de Astrofísica e de Geofísica da Universidade de Liège, na Bélgica. O grupo, que integra também a jovem investigadora portuguesa Catarina Fernandes, utilizou as observações de uma série de telescópios para identificar esta nova mão-cheia de "Terras" e as estudar com o maior detalhe possível.

Há mais de um ano a trabalhar na equipa de Michaël Gillon, na Universidade de Liège, Catarina Fernandes também participou nas observações, no seu caso para determinar o período orbital de um destes sete exoplanetas. A cientista portuguesa não tem dúvidas da importância deste trabalho. "É a primeira vez que se deteta um sistema solar com tão grande número de planetas semelhantes à Terra, tanto em tamanho como na temperatura, e pelo menos três deles podem ter água na superfície", afirmou ao DN, em entrevista telefónica (ver texto na outra página).

O interesse da equipa de Michaël Gillon por este sistema solar já vem de trás, e a primeira confirmação de que a Trappist-1 tinha muito que contar chegou quando os investigadores concluíram que as pequenas flutuações no brilho daquela estrela correspondiam à presença de planetas.

Foi dessa forma que identificaram os primeiros três em torno da Trappist-1, que anunciaram, também num artigo da Nature, em maio do ano passado.

A Trappist-1 não é uma estrela como o Sol. É mais fria, tem uma luminosidade cerca de mil vezes mais fraca e a temperatura no seu núcleo é apenas a suficiente para que funcione como uma estrela, convertendo no seu processo de fusão o hidrogénio em hélio. As estrelas como esta são as anãs-vermelhas e têm a particularidade de ser as mais numerosas na Via Láctea: na verdade, são cerca de 80% de todas as estrelas da galáxia. E esse é outro dos motivos porque a descoberta é sensacional: um sistema solar em torno de uma anã-vermelha, com sete planetas idênticos à Terra, que são outros tantos mundos onde a vida é uma possibilidade real, aponta para que as "Terras" serão muito mais numerosas na Via Láctea e no universo do que alguma vez se sonhou.

Na prática, os sete novos exoplanetas são a materialização do que a teoria já previa, depois de um grupo internacional de astrofísicos, que incluiu o português Nuno Santos, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, ter concluído, em 2012, que os planetas rochosos, como a Terra, serão a regra - e não a exceção - na órbita das estrelas na Via Láctea. Nessa altura, os investigadores fizeram a primeira estimativa de sempre do número potencial de planetas rochosos na órbita de anãs-vermelhas na galáxia e chegaram ao valor surpreendente de milhares de milhões de planetas desse tipo, só na Via Láctea.

Nuno Santos, um dos autores do trabalho, explicou na altura ao DN as implicações desse número astronómico. "Provavelmente", afirmou, "a maioria das estrelas que existem têm planetas rochosos na sua órbita".

A descoberta ontem anunciada pode ser vista como uma primeira confirmação dessa suspeita.

Por outro lado, as anãs-vermelhas, além de serem as mais comuns na Via Láctea, têm outra vantagem: como são mais frias e menos brilhantes do que o Sol, a zona de habitabilidade (a distância ideal em relação à estrela para a temperatura ser amena e poder existir água) é mais próxima da estrela, o que torna a deteção dos planetas mais fácil para os astrofísicos.

No ano passado, quando falou da descoberta dos primeiros três planetas rochosos - dos sete que agora se sabe que estão na órbita da Trappist-1 -, Michaël Gillon referiu exatamente essa questão. "Porque estamos a tentar detetar planetas idênticos à Terra em redor de estrelas mais pequenas e menos quentes na vizinhança solar?", perguntava-se, para responder que "os sistemas em redor destas pequenas estrelas são os únicos locais onde podemos detetar vida em exoplanetas do tamanho da Terra com a tecnologia de que dispomos". Por isso, dizia, "se queremos encontrar vida noutro sítio do universo, estes são os locais por onde devemos começar a procurar".

É isso que estão a fazer. Mas a descoberta das sete "Terras" noutro sistema solar ainda não significa que se encontrou vida. O estudo vai continuar. O que se segue, em relação à Trappist-1, é também essa busca, na qual Catarina Fernandes vai igualmente participar.

jornal “Jornal de Notícias” (Portugal), 23.02.2017

México não aceita imposições de forma unilateral pelos EUA

O chefe da diplomacia mexicana disse que o México não vai aceitar disposições que um outro Governo queira impor de forma "unilateral", referindo-se às políticas migratórias anunciadas pelos Estados Unidos.

"Quero deixar claro e de maneira mais enfática que o Governo do México e o povo mexicano não têm de aceitar disposições de maneira unilateral de um Governo que as quer impor a outro", afirmou Luis Videgaray, num encontro com o Alto-comissário da ONU para dos Direitos Humanos para o México.

O ministro explicou que o México não vai aceitar "porque não tem de o fazer e porque não é do interesse do país".

O Departamento de Segurança Interna norte-americano divulgou terça-feira novas diretivas para a expulsão de imigrantes ilegais, referindo que quase todos os 11 milhões de indocumentados, a grande maioria hispânicos, que residem nos Estados Unidos podem ser potencialmente deportados.

No seguimento do decreto presidencial assinado a 25 de janeiro, o secretário da Segurança Interna também deu luz verde para iniciar os trabalhos para a construção do muro prometido por Trump durante a campanha eleitoral na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

Sobre a visita que o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, inicia esta quarta-feira ao México, o ministro disse que a questão migratória "será tema fundamental" e o "primeiro ponto na agenda".

A proteção do México aos seus cidadãos no estrangeiro "implica desenvolver uma estratégia de informação sem precedentes para que os mexicanos tenham conhecimento dos seus direitos, saberem lidar com possíveis violações da sua dignidade e dos seus direitos humanos", disse.

O ministro salientou também que o México não hesitará em recorrer às Nações Unidas ou outra qualquer organização internacional para defender os direitos dos mexicanos.

ONU precisa de 4,4 mil milhões para combater fome em quatro países

As agências da ONU precisam de 4,4 mil milhões de dólares em fundos de emergência para combater a fome na Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen, disse, esta quarta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Mais de 20 milhões de pessoas enfrentam a fome naqueles quatro países e é preciso agir para evitar um desastre humanitário, disse António Guterres em entrevista coletiva na sede da ONU.

"Precisamos de 4,4 mil milhões de dólares (cerca de 3,8 mil milhões de euros) até ao final de março para evitar uma catástrofe", disse.

Até agora, as Nações Unidas apenas conseguiram 90 milhões de dólares.

O Sudão do Sul declarou hoje fome no norte, enquanto o Fews Net, sistema de alerta precoce da fome, disse que algumas áreas remotas do nordeste da Nigéria já estão afetadas pela fome desde o final do ano passado.

Os quatro alertas de fome não têm precedentes nas últimas décadas. O último alerta emitido foi em 2000 na Somália, tendo pelo menos 260.000 pessoas morrido, metade das quais crianças com menos de cinco anos, segundo o Programa Alimentar Mundial.

A UNICEF (Fundo da ONU para a Infância) alertou esta semana para a má nutrição aguda de que sofrem 1,4 milhões de crianças na Nigéria, Somália, Sudão do Sul e no Iémen, sublinhando que podem morrer nos próximos meses.

Dos quatro alertas de fome, apenas o da Somália é causado pela seca. Os restantes são resultado de conflitos.

"A situação é terrível. Milhões de pessoas sobrevivem entre a má nutrição e morte, vulneráveis às doenças e surtos, obrigadas a matar o seus animais para comer e a comer os grãos que guardaram para semear no próximo ano", disse António Guterres.

Antigo diretor do FMI Rodrigo Rato condenado a prisão

O antigo diretor-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) Rodrigo Rato foi esta quinta-feira condenado a quatro anos e meio de prisão por se ter apropriado indevidamente de património de dois bancos espanhóis dos quais era presidente.

A Audiência Nacional, tribunal nacional espanhol que julga casos de corrupção e crimes financeiros, anunciou que considerou Rodrigo Rato culpado pelo crime de peculato quando este era presidente da Caja Madrid e do Bankia e numa altura em que as duas entidades estavam em dificuldades.

Rodrigo Rato de 67 anos foi diretor-geral do FMI entre 07 de junho de 2004 e junho de 2007.

Papa critica "vida dupla" de quem se diz católico mas faz "negócios sujos"

O Papa Francisco criticou esta quinta-feira "a vida dupla" de algumas pessoas que se dizem "muito católicas", mas depois fazem "negócios sujos" e "aproveitam-se das pessoas".

"O que é um escândalo? É dizer uma coisa e fazer outra, é a vida dupla. 'Eu sou muito católico, vou sempre à missa, pertenço a esta ou à outra associação, mas a minha vida não é cristã, não pago com justiça aos meus empregados, aproveito-me das pessoas, faço negócios sujos'", criticou o papa, durante a missa da manhã na sua residência de Casa Santa Marta.

Francisco disse, citado pela Radio Vaticana, que "muitos católicos são assim" e que, por isso mesmo, causam "escândalo".

"Quantas vezes ouvimos, todos nós, no nosso bairro e noutras partes, 'para ser um católico como esse, era melhor ser ateu'? É esse o escândalo. Destrói-nos, deita-nos por terra", lamentou.

Francisco deu como exemplo o caso de um empresário católico que estava de férias numa praia do Médio Oriente enquanto os trabalhadores da sua companhia, quase falida, ameaçavam fazer uma "greve justa" porque não recebiam os salários.

O papa recordou que isto acontece "todos os dias" e que, para nos darmos conta disso, "basta ver o telejornal ou ler os jornais".

IKEA oferece-se para mobilar cela de Pablo Escobar

Queixando-se da falta de espaço para guardar dinheiro, uma conta de Twitter, que se faz passar por Pablo Escobar, perguntou se o IKEA tinha sofás disponíveis para esconder os frutos da droga vendida. A troca de respostas terminou quando a cadeia sueca aceitou mobilar a cela do narcotraficante

"Fabrico coca e vendo-a. É assim que consigo o que tenho", apresenta-se ao mundo o utilizador "Patron do Mal", que tem uma conta que se faz passar por Pablo Escobar.

Na terça-feira, nesta mesma conta, foi feito um pedido no mínimo curioso. Escobar perguntou ao IKEA se tem um sofá disponível para guardar o dinheiro que resulta do tráfico de droga. Recorde-se que Pablo Escobar foi um dos mais perigosos traficantes de droga, na Colômbia, e serviu de inspiração à série "Narcos", da Netflix.

 jornal “Jornal de Angola” (Angola), 23.02.2017

Satélite em órbita já este ano

Kumuênho da Rosa |
23 de Fevereiro, 2017

O ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, anunciou, ontem, a conclusão das obras do Centro de Controlo e Missão de Satélites, que vai receber o sinal do primeiro Satélite de Comunicação Geoestacionário Angolano (Angosat).

Em declarações à imprensa, à margem da segunda sessão ordinária do Conselho de Ministros, orientada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, o ministro José Carvalho da Rocha garantiu que foi religiosamente cumprido, tudo o que eram responsabilidades contratuais de Angola à luz do projecto Angosat, que deve ser lançado em órbita ainda este ano.
“O centro da Funda está pronto. Estamos neste momento a formar os quadros angolanos, enquanto aguardamos pelo momento em que vamos colocar o satélite em órbita. Nisto tudo, o mais importante é que aquilo que são as nossas obrigações no contrato pela parte angolana, felizmente estão todas terminadas”, declarou José Carvalho da Rocha.
O ministro não avançou datas. Apenas garantiu que o Angosat é colocado em órbita este ano. “Estamos a gerir um contrato muito rigoroso, que tem penalizações fortíssimas. Por isso a parte angolana está a evitar que as penalizações ocorram do nosso lado. As nossas obrigações foram cumpridas, de modo que estamos a interagir com a nossa contraparte, para que tenhamos este ano o Angosat em órbita”.
O projecto resulta de uma parceria com a Rússia, com base num contrato assinado em 2009. O trabalho propriamente dito, à volta do Angosat teve início em 2012. Trata-se de um satélite de comunicação geoestacionário, baseado na plataforma USP Bus. O ministro das Telecomunicações assegurou que os prazos vão ser respeitados e, tal como o previsto, o ANGOSAT 1 deve ser lançado, a partir do Cosmódromo de Plesetsk, na Rússia.

Estratégia Espacial

E é no quadro das tarefas para o lançamento do satélite, que foi ontem aprovada a estratégia espacial nacional e o regulamento das servidões radioeléctricas. A estratégia espacial define os objectivos e orientações gerais sobre a actividade espacial, tendo em conta o reconhecimento da importância vital que a utilização do espaço tem para o desenvolvimento socioeconómico e o posicionamento estratégico.
A estratégia espacial nacional perspectiva o desenvolvimento de infraestrutura espacial, capacitação e promoção do sector no crescimento da indústria e tecnologias espaciais. Perspectiva ainda a criação de estruturas organizativas que assegurem a prossecução dos objectivos pretendidos e na afirmação internacional de Angola, no domínio espacial.
Já o regulamento das servidões radioeléctricas tem por finalidade estabelecer as condições de protecção à propagação e à recepção de ondas radioeléctricas. A criação de uma servidão radioeléctrica na região da Funda, precisamente na zona onde foi instalado o Centro de Controlo e Missão de Satélites, visa também evitar que possa haver interferências ao sinal de satélite, resultantes do impacto socioeconómico, urbanístico e ambiental de interferir.
José Carvalho da Rocha realçou, por outro lado, a vertente preventiva do regulamento das servidões radioeléctricas, numa perspectiva de haver, no futuro, instalações semelhantes às do Centro de Controlo e Missão de Satélites da Funda. “. Este diploma protege a região e outras que forem construir centros da mesma natureza. Prevemos que num futuro distante, o país terá necessidade de construir centros semelhantes àquele que está a ser edificado na Funda”. 
Ainda em matéria de Telecomunicações e Tecnologias de informação, foi igualmente aprovado o Sistema de Pagamentos Móveis de Angola (SPMA), que vai permitir à população, dispor de mais um mecanismo de pagamentos com base nas redes móveis. “O que pretendemos é que todos os detentores de telemóveis possam fazer algumas transações, usando preferencialmente o dinheiro electrónico, como em muitos países em que tivemos a oportunidade de visitar”.
O Conselho de Ministros apreciou um diploma legal, que consagra o regime  jurídico aplicável às sociedades gestoras de patrimónios, que são instituições financeiras não bancárias, ligadas ao mercado de capitais e ao investimento, que têm por objecto, para além dos serviços de consultoria em matéria de investimento, o exercício da actividade de administração discricionária de um conjunto de bens pertencentes a terceiros.
Também nesta sessão, o Conselho de Ministros apreciou uma proposta de lei, que define o regime geral de arquivos e do património arquivístico, bem como as regras relativas à gestão documental em Angola. A proposta de Lei Geral dos Arquivos vai para discussão à Assembleia Nacional. Na mesma sessão, foi aprovada a alteração do regulamento do Festival Nacional de Cultura “Fenacult”, que passa a realizar-se em cada 5 anos, coincidindo com o calendário oficial de efemérides nacionais.
Em matéria de política externa, o Conselho de Ministros aprovou o Acordo entre o ministério da Agricultura de Angola e o ministério das Políticas Agrícolas Alimentares da Itália no domínio agrícola, o Acordo Geral Revisto de Cooperação entre os governos de Angola e da República Centro Africana.
O Conselho de Ministros apreciou um Memorando sobre Consultas Políticas Bilaterais entre o ministério das Relações Exteriores e o ministério dos Negócios Estrangeiros, da Integração Africana e dos Centro-Africanos no Estrangeiro.
O Conselho de Ministros autorizou ainda a criação do Instituto Superior Técnico de Administração e Finanças, com sede em Luanda, vocacionado para a formação de quadros a nível da graduação e pós-graduação, no domínio das Ciências Económicas. Também ontem foi aprovado o projecto de Decreto, que atribui estatuto de utilidade pública à “Fundação  Prosperar”.

 

 

Portugal discrimina comunidade cigana


23 de Fevereiro, 2017

Restrição de direitos das pessoas com deficiência decorrente da crise e relatos de maus tratos nas prisões, onde continuam inadequadas as condições prisionais, são as principais críticas a Portugal do último relatório da Amnistia Internacional (AI).

No documento, divulgado ontem, aponta-se ainda que “persiste a discriminação das comunidades ciganas”. O relatório “O Estado dos Direitos Humanos no Mundo” 2016/2017 faz um resumo sobre a situação mundial em 2016 e traça os desafios e expectativas para este ano. Portugal “continuou a não garantir que os crimes de ódio fossem proibidos por lei, refere a AI.

 

 

Intervenção russa trava desintegração


23 de Fevereiro, 2017

A intervenção da Rússia na Síria permitiu “impedir a desintegração” do Estado sírio e “deter praticamente” a guerra civil, considerou ontem o ministro da Defesa russo, Serguei Shoigu.

 “A desintegração do Estado sírio foi impedida, a guerra civil praticamente terminada”, disse o ministro, referindo-se à trégua declarada no final de Dezembro. Para Shoigu, a missão na Síria marca uma nova etapa de “luta conjunta contra o terrorismo”. “Infligiram-se danos consideráveis aos grupos terroristas na Síria”, disse.

 

Alemanha anuncia o aumento de gastos com sector da Defesa


23 de Fevereiro, 2017

A Alemanha anunciou um aumento mais importante que o previsto do efectivo do seu Exército, chegando a 200.000 até 2024, enquanto a Administração Trump pede aos seus aliados um maior esforço militar.


Nas previsões apresentadas em Maio de 2016, as Forças Armadas do país, as Bundeswehr, planeavam um aumento de 14.300 soldados e 4.400 civis para os próximos sete anos, aumentando o seu efectivo para 192.500 pessoas, o que significava um primeiro aumento desde o fim da Guerra Fria. Segundo novos dados revelados na terça-feira, o Exército alemão pretende incorporar 5.000 soldados e 1.000 civis ao fim do período, mais do que o previsto há alguns meses, anunciou o Ministério da Defesa num comunicado. No total, o efectivo da Bundeswehr, que no fim de Fevereiro era de 178.000 soldados, aumentaria para até 198.000 militares e 61.000 civis em 2024, segundo a mesma fonte. “A Bundeswehr é requerida agora como nunca antes”, destacou a ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, citada no comunicado. “Fazemos todo o possível para diminuir as insuficiências, inclusive no que diz respeito ao material”, acrescentou.
Ainda que a ministra não tenha sugerido que esta medida esteja relacionada com os pedidos de Trump, o anúncio é feito após uma advertência do Vice-Presidente dos EUA, Mike Pence, na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em Bruxelas.
Pence pediu avanços reais desde agora até ao fim de 2017, por parte dos aliados que não respeitam o compromisso da OTAN de gastar pelo menos 2 por cento de seu PIB em questões militares. Até agora, apenas cinco países, Estados Unidos, Grécia, Reino Unido, Polónia e Estónia chegaram a esse nível.

 

 

Israel bombardeia posições das forças sírias


23 de Fevereiro, 2017

Um avião de guerra israelita atacou ontem as posições do Exército da Síria nas montanhas Qalamun, a noroeste de Damasco, segundo a imprensa a imprensa local.

A aeronave lançou o ataque depois de sobrevoar a região de Arsal Barrens, no leste do Líbano, onde ficam as posições das forças do Estado Islâmico e da Al-Qaeda.
Em Fevereiro, as Forças de Defesa de Israel atacaram posições sírias nas colinas de Golã, na fronteira entre os dois países. De acordo com o Exército israelita, o ataque ocorreu depois de um projéctil de tanque ter caído no território controlado pelo Estado judeu. Os recentes ataques entre a Síria e Israel ocorridos na zona das colinas de Golã causaram preocupação entre alguns analistas, que acreditam que essas acções podem desencadear uma nova escalada do antigo conflito entre os dois países. O presidente do Instituto russo de Estudos do Médio Oriente, Yevgeny Satanovsky, citado pela Agência Federal de Notícias (FAN, na sigla em russo), não compartilha desta preocupação, dado que Israel não tem uma política especial em relação à Síria.
“Actualmente, quando um projéctil cai em território israelita a partir do território sírio, Israel, em resposta, destrói na linha de fronteira os pontos que lhe parecem convenientes. O resto não interessa a Israel”, explicou Yevgeny Satanovsky.
Nos últimos tempos, Israel preocupa-se apenas em defender o seu próprio território, salienta o especialista. Soldados israelitas realizam exercícios na parte setentrional das colinas de Golã.
Tendo em conta que a aviação da Rússia participa da luta contra o terrorismo na Síria, Satanovsky comentou que a possibilidade de confrontação entre os militares russos presentes no país árabe e os soldados israelitas é mínima. Além disso, os interesses políticos de Moscovo e de Jerusalém na região não são contrários, afirma Satanovsky. “A Rússia mantém boas relações com o Irão, com Israel, com repúblicas árabes, com monarquias árabes, da Jordânia aos Emirados, até mesmo com a Arábia Saudita”, frisa o analista.
Ele também afirmou que o acordo de ajuda militar assinado entre Israel e os EUA em 13 de Setembro, que prevê a cooperação militar no valor de 3.800 milhões de dólares por ano, durante 10 anos, não tem efeito sobre o estado das relações entre Israel e a Síria. “Israel vai actuar na Síria tal como tem actuado até agora, partindo das suas ideias sobre a sua própria segurança”, salienta Satanovsky. A maior divergência entre Israel e a Síria deve-se à disputa que os dois países mantêm relativamente às colinas de Golã, desde os anos da guerra de 1944.

Read 75 times